Conservadores devem ter vitória fácil na eleição do Irã

A impugnação de mais de 2.000 candidatos reformistas e o boicote parcial dos eleitores pró-reforma devem garantir o triunfo dos conservadores iranianos na eleição desta sexta-feira para o Parlamento do país. No total, estão habilitados a votar 46.351 iranianos de ambos os sexos e maiores de 15 anos. A população do Irã, segundo o censo de 2000, é de quase 72 milhões de habitantes. Desde 2000, o Majlis, como é conhecido o Parlamento do país, era controlado por uma maioria reformista.O principal partido reformista, a Frente de Participação, optou por boicotar a eleição. O único grupo pró-reforma a apresentar uma lista de candidatos, com 206 nomes, foi a Coalizão pelo Irã. Estão em jogo as 290 cadeiras do Parlamento.Para serem eleitos, os candidatos devem ter pelo menos 25% dos votos de seu distrito. Caso contrário, os candidatos mais votados irão a um segundo turno, onde a eleição é decidida por maioria simples. Como a apuração é totalmente manual, a divulgação dos resultados deve levar uma semana.O presidente iraniano, o reformista Mohammad Khatami, declarou que considerava as eleições injustas, mas pediu aos eleitores que comparecessem às urnas mesmo assim. Nas eleições de 2000, a participação eleitoral ficou em 62%. Mas, em razão do boicote, espera-se um comparecimento muito menor amanhã.De acordo com a maior parte dos analistas, as eleições se tornarão um marco a partir do qual os reformistas terão seu trabalho ainda mais dificultado. O governo de Khatami corre o risco de ficar ainda mais isolado ante a Justiça, as forças de segurança, os órgãos de controle institucional e o Parlamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.