Conservadores do Irã cedem mais na crise eleitoral

O Conselho de Guardiões do Irã reverteu um terço das desqualificações de candidatos às eleições parlamentares de 20 de fevereiro. A decisão do Conselho, de declarar inelegíveis mais de 3.000 pré-candidatos, gerou uma crise política no país, com lideranças liberais e reformistas ameaçando boicotar o pleito. Os reformistas exigem a revogação de todas as desqualificações.?Não resta opção senão boicotar esta falsa eleição?, disse Said Shariati, líder da maior agremiação reformista, a Frente de Participação Islâmica do Irã. ?Somos o maior partido do Irã e praticamente todos os nossos candidatos foram barrados?, disse Shariati.Mesmo com os 1.160 candidatos requalificados, mais de 2.400 liberais continuam proibidos de concorrer - incluindo mais de 80 parlamentares que pretendem disputar a reeleição.O Conselho de Guardiões é um colegiado formado por religiosos nomeados pelo líder supremo do país, o aiatolá Ali Khamenei, e supervisiona boa parte da vida política do país, tendo poder de veto sobre as decisões do Parlamento. Khamenei tem poder para reverter decisões do Conselho.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.