Conservadores recuam na crise eleitoral iraniana

A linha-dura islâmica do Irã recuou e reverteu a desqualificação de 200 candidatos às eleições de fevereiro e prometeu que mais candidatos serão autorizados a concorrer. Os parlamentares liberais e reformistas prometem continuam se manifestando até que todas as desqualificações sejam revistas. As candidaturas às eleições no Irã são submetidas à aprovação prévia do Conselho de Guardiões da Constituição, um colegiado religioso não-eleito e dominado por conservadores.A decisão anunciada pelo Conselho no início do ano, de vetar mais de 3.000 nomes de candidatos - incluindo 80 que já contam com mandato - detonou uma crise política no Irã. A requalificação dos candidatos liberais vem depois de o líder supremo do Irã, aiatolá Ali Khamenei, ter interferido e exigido a revisão dos vetos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.