Conservadores são condenados à morte no Irã

Um juiz sentenciou à morte neste sábado seis vigilantes conservadores islâmicos considerados culpados pelo assassinato de cinco pessoas que eles acreditavam estar promovendo "corrupção". O juiz Abdolreza Parvizi disse à Associated Press que sentenciou os seis ao enforcamento em público pelo assassinato de três homens e duas mulheres em Kerman, cerca de mil quilômetros a sudeste de Teerã, no ano passado. Os vigilantes religiosos são leais ao regime ultraconservador do aiatolá Ali Khamenei. Eles acreditavam que suas vítimas mantinham relações sexuais "ilegais".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.