Consórcio global quer identificar genoma do câncer

Cientistas de todo o mundo estãosomando forças para buscar as principais mutações genéticasenvolvidas no câncer. O Consórcio Internacional do Genoma do Câncer (CIGC),lançado na terça-feira, vai examinar até 50 tipos diferentes decâncer, o que os especialistas esperam que contribuafuturamente no diagnóstico, tratamento e prevenção. O novo grupo surge a partir do sucesso do Projeto Genoma doCâncer, do Fundo Wellcome do Instituto Sanger, de Cambridge(Grã-Bretanha), que já descobriu muito mais mutações envolvidasno câncer do que se imaginava originalmente. O Wellcome Trust disse que a aliança internacional vai usaruma tecnologia de alta velocidade para scanear o DNA de célulastumorais, a fim de localizar os erros no código genético quepossam estar vinculados aos diferentes tipos de câncer. "No passado, tínhamos visões fragmentadas ou poucoampliadas do genoma do câncer", disse Mike Stratton, co-diretordo projeto britânico, em nota. "Com o advento de novas tecnologias de sequenciamento doDNA, mais rápidas, o CIGC estabeleceu agora a meta enormementeambiciosa de sequenciar totalmente milhares de genomas docâncer para catalogar todas as mudanças no DNA e obter umquadro completo das anomalias que levam ao câncer." O consórcio é formado também por pesquisadores deAustrália, Canadá, Cingapura, China, França, Estados Unidos,Índia e Japão. O primeiro-ministro britânico, Gordon Brown, disse apropósito do lançamento do consórcio que "a cooperaçãointernacional na pesquisa médica é essencial para maximizar asoportunidades que temos para encontrar as curas e tratamentospara algumas das doenças mais graves que enfrentamos". (Por Ben Hirschler)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.