Constituição Européia "está feita"

Os líderes da União Européia fecharam o texto da primeira Constituição do continente, superando questões em torno da partilha de poder, soberania nacional e até da menção a Deus. As lideranças brindaram com champanhe o fim de dois dias de negociações. ?Está feita?, disse a porta-voz Cristina Gallach. A Constituição foi adotada pelos líderes cerca de uma hora depois de terem recebido as traduções do texto. Agora, a Constituição terá de ser ratificada pelos 25 países-membros, muitos dos quais prevêem referendo a respeito."Hoje é um dia muito importante para a Europa", disse o presidente da França, Jacques Chirac, com a concordância do chanceler da Alemanha, Gerhard Schroeder, e do primeiro-ministro da Itália, Sílvio Berlusconi. Para o primeiro-ministro britânico, Tony Blair, "a adoção da Constituição européia foi um êxito para a Grã-Bretanha e um êxito para a Europa".O consenso em torno do novo texto da Constituição foi obtido pelo líder irlandês que se reuniu com cada um dos dirigentes europeus em separado - principalmente com o primeiro-ministro espanhol, José Luis Rodríguez Zapatero, cujo país, a exemplo da Polônia, rejeitara a proposta original em dezembro, gerando uma crise na comunidade. Segundo Zapatero, a novo texto "aproximou-se muito das reivindicações espanholas".A principal objeção espanhola dizia respeito ao sistema de votação para aprovação ou rejeição de projetos de interesse comum dos países membros no Conselho de Ministros da UE. O texto original provisório, rejeitado por Madri e Varsóvia, propunha sistema de "dupla maioria": 50% dos países membros, mais a soma de 60% da população de cada um deles. Pela nova redação aceita por todos, uma medida para ser aprovada pelo conselho precisará do apoio de 55% dos países, mais a soma de 65% de suas respectivas populações.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.