Constituintes são ´soldados´, diz Morales na Bolívia

Os 255 membros da primeira Assembléia Constituinte eleita da Bolívia são "soldados na luta pela liberdade, dignidade e igualdade", disse neste domingo o presidente boliviano Evo Morales. Morales inaugurou o órgão legislativo em uma cerimônia na cidade de Sucre, capital do pais. Conformada por muitos jovens, sindicalistas e mulheres, a assembléia abre as portas a cidadãos que até agora haviam sido excluídos da vida pública do país.Segundo um levantamento do diário La Razón, mais de 30% dos constituintes é sindicalista e indígena, e outro tanto são mulheres. Quatro quintos dos representantes têm idades entre 20 e 50 anos. ExpectativasSão grandes as expectativas domésticas, porque todos os conflitos e potenciais enfrentamentos foram redirecionados para serem resolvidos na Assembléia.Assim, por exemplo, será debatida a questão da autonomia, que confronta as províncias do leste e do oeste do país; a religião, campo em que o governo e a igreja não encontram ponto de acordo; a propriedade de terras, que agora é um foco de conflito permanente.O presidente Morales, embora pregue a soberania da Constituinte, ressalta que os únicos setores aos quais ela deve se submeter são os sociais.Como afirmou o vice-presidente, Álvaro Garcia Linera: "A Bolívia teve mais de uma dezena de Constituintes. Em todas elas, os indígenas, camponeses e setores majoritários foram marginalizados da vida republicana".ÍconeO ícone da nova composição política é a presidente da Assembléia. Chama-se Silvia Lazarte e é uma indígena quéchua de poucos recursos econômicos.Foi eleita pela próspera região de Santa Cruz, mas vem da área rural de Cochabamba. Lazarte foi nomeada nas sessões preparatórias, e assumiu suas funções neste domingo, dia em que o país celebra ainda 181 anos de vida republicana.Ela acredita que sua eleição se deve às "lutas de todas as mulheres bolivianas e nossos antepassados, e também à marginalização das mulheres e dos indígenas durante tanto tempo".Nas sombrasHá 16 anos, foram precisamente os indígenas do leste (ou "oriente", como chamam os bolivianos) que fizeram uma longa marcha até a cidade de La Paz para exigir que se convocasse uma constituinte.A exigência se manteve na agenda nacional sem maiores surpresas até o ano 2000, quando os indígenas do oeste ("ocidente") romperam a aparente tranqüilidade do país com incontroláveis bloqueios a estradas.Naquele ano, descobriu-se que uma parte da Bolívia havia permanecido nas sombras. Desde então, o processo de mudança se precipitou com mais rapidez. Em 2003, o presidente Gonzalo Sánchez de Lozada foi obrigado a renunciar, e de imediato surgiu com força o indígena de esquerda Evo Morales, que agora governa o país com níveis de popularidade que oscilam entre 70% e 80%.Morales, que deu sua mensagem ao Congresso, destacou o caráter "plenamente soberano" da Assembléia, cujos desígnios estarão nas mãos das mulheres e dos indígenas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.