Construção do novo aeroporto no México é cancelada

O Governo mexicano decidiu nessa quinta-feira cancelar a construção do novo aeroporto internacional da capital do país, cujo orçamento era de US$ 2,8 bilhões, informaram fontes oficiais. Com o fim do projeto, os agricultores, cujas terras seriam expropriadas no município de Texcoco, onde seria construído o aeroporto, conseguiram vencer a batalha travada desde o ano passado com o governo mexicano. O plano original das autoridades mexicanas era inaugurar o aeroporto em 2006. Ele teria capacidade para servir a cerca de 60 milhões de passageiros e realizar quase um milhão de operações por ano. O projeto de construção do novo aeroporto em terrenos de Texcoco e San Salvador Atenco, anunciado em outubro do ano passado, nasceu marcado pela polêmica. O Governo teve que batalhar primeiro com a oposição dos grupos ecologistas, convencidos de que o terminal não só significava um grave atentado contra o equilíbrio do meio ambiente da zona, mas também perigoso para a navegação aérea pela existência de várias colônias de aves. Depois, o Executivo se confrontou com a rejeição frontal dos camponeses, que durante meses se manifestaram nas ruas da capital mexicana e esgotaram os recursos institucionais para frear o projeto. Os camponeses de Atenco encontraram o respaldo de ativistas de organizações civis e deputados de oposição, que denunciaram que a iniciativa do Governo constituía uma violação do Estado de Direito. Em 11 de julho os camponeses enfrentaram a polícia. No confronto, seis pessoas ficaram feridas, uma delas morreu na semana passada, 14 foram detidas e 19 foram tomadas como reféns pelos camponeses, que posteriormente os libertaram. Depois dos fatos violentos, o presidente Fox se rendeu aos protestos e admitiu que existiam outras opções para a situação do novo aeroporto. Os habitantes de Atenco responderam que jamais aceitariam vender suas terras, apesar da proposta oficial de aumentar para 50 pesos (5 dólares) o preço do metro quadrado de terreno a ser expropriado, o que significava um aumento significativo sobre os 7 pesos (0,7 dólares) que ofereceu no começo. Os camponeses de Atenco e o Governo se reuniram quarta-feira da semana passada para tentar encontrar uma solução para o conflito, mas dois dias depois o Executivo se negou a ir a uma reunião convocada pelos camponeses, por isso as negociações pararam novamente. Os empresários do Estado do México fizeram um pedido para um acordo e lembraram que a decisão de construir o novo aeroporto em Texcoco, a cerca de 30 km da capital, foi tomada depois de anos de estudos e projetos, que concluíram que era a situação mais adequada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.