Construir armas é tarefa principal de Los Alamos

Centro no Novo México é um dos maiores empregadores do Estado, com 13 mil especialistas altamente qualificados

Roberto Godoy, O Estado de S.Paulo

18 de setembro de 2010 | 00h00

Era o Site Y nos anos 40, cheio de segredos e zelosa segurança. Depois, virou o Laboratório Nacional de Los Alamos, que abrigaria o espetacular Projeto Manhattan, da bomba atômica dos EUA. Em 2010, ao custo anual conhecido (há verbas secretas, não reveladas) de US$ 2,2 bilhões, a área, no Novo México, segue sob administração federal subordinada - apenas para assuntos científicos - à Universidade da Califórnia. Los Alamos é o maior gerador de emprego de metade do Estado: trabalham no local cerca de 13 mil especialistas, a maioria sob contrato do Departamento de Energia. Pessoal altamente qualificado - físicos, químicos, engenheiros de novos materiais, matemáticos, biólogos, astrofísicos, especialistas em informática e em ao menos dez outras áreas. Investigadores estrangeiros podem apresentar propostas de pesquisa. Nada disso, entretanto, supera a atividade principal de Los Alamos, projetar e desenvolver armas nucleares, com o mais novo Laboratório Nacional de Lawrence Livermore. O vazamento de informações é um problema crônico em Los Alamos. O desaparecimento de 2 discos rígidos e de 12 códigos, há seis anos, revelou o elevado grau de insegurança do laboratório. Os discos foram localizados caídos atrás de uma fotocopiadora. Os outros documentos nunca foram encontrados.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.