Consulado do Brasil em NY pede ajuda sobre possíveis vítimas

Todas as pessoas com parentes e amigos em Nova York, que possam ter sido vítimas do ataque terrorista ao World Trade Center, devem entrar em contato telefônico ou via internet com o consulado brasileiro sediado na cidade e fornecer o maior número de informações possíveis para que a representação diplomática tente localizá-los. O consulado tem quatro números telefônicos especiais para isso: (1xx) 917-777.7613/7632/7671/7672. Pela homepage www.brazilny.org estará disponível um formulário com a mesma finalidade."Quem tiver dúvidas sobre o desaparecimento de pessoas que pudessem estar na área da tragédia deve informar, se possível, onde elas estariam, endereços, telefones, descrição física e até enviar para o consulado, por exemplo, fotografias e radiografias de arcadas dentárias para possível identificação", pediu hoje o cônsul-geral Flávio Perri. Os interessados também devem informar meios de ser contactados para receber resposta das investigações."Tão cedo não será possível saber o número total de mortos nessa tragédia, nem se entre eles há brasileiros, pois calcula-se que a remoção dos escombros dos edifícios demore em torno de 30 dias", explicou o cônsul. "Além disso, é provável que muitos corpos não estejam em condições de identificação."Segundo estimativas, há cerca de 350 mil brasileiros vivendo na região de Nova York e nos estados vizinhos de New Jersey e Connecticut, que estão sob sua jurisdição. Mas não há informações sobre quantos trabalhariam no World Trade Center ou na região do centro financeiro de Nova York, atingida pelo ataque. Funcionários do consulado foram destacados para percorrer os hospitais à procura de brasileiros entre as vítimas que estão sendo atendidas.O embaixador também pediu a todos os representantes de entidades civis formadas pela comunidade brasileira na região de Nova York para que atuem na procura de conterrâneos desaparecidos. Hoje pela manhã, havia informação de que já havia sido localizada a maioria dos 15 engraxates brasileiros que trabalhavam no subsolo das torres destruídas, mas alguns ainda estavam sendo procurados."Estamos de prontidão para dar assistência a quem precisar", disse Perri. Sem dar nomes, ele informou que, desde a tarde de terça-feira, pelo menos dez turistas brasileiros haviam procurado o consulado em busca de auxílio porque os hotéis onde estavam hospedados, na região próxima à zona do ataque, foram evacuados. Alguns estavam sem dinheiro. "Colaboramos com o suficiente para que pudessem comer e os encaminhamos aos abrigos que a prefeitura preparou para atender essas situações", informou o diplomata.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.