Consulado dos EUA volta a funcionar

O Consulado dos EUA voltou a funcionar normalmente nesta segunda-feira, informaram funcionários da representação diplomática.Depois dos atentados terroristas em Nova Iorque e Washington, na terça-feira passada, o órgão suspendera a emissão de vistos para entrada nos Estados Unidos.A procura, entretanto, foi bem menor do que o normal, e o consulado encerrou suas atividades mais cedo.Buquês de flores foram depositados ao pé da bandeira americana, que continua hasteada a meio mastro.Entre as pessoas que foram ao consulado durante a manhã estava o casal Fábio e Cristiane Fernandes, de 26 e 29 anos, respectivamente.Eles vivem na Califórnia, onde se casaram no civil há três anos e estão no Brasil para a cerimônia religiosa, que acontecerá sábado, em São Paulo.O casal foi atendido e renovou os seus vistos.Moradores da cidade de San Ramon, Cristiane trabalha como relações públicas, e Fábio, universitário, é dependente da mulher."Eu sou mãe dele e gostaria que eles ficassem. Acho que já está na hora de pensarem em voltar", disse Marlene Fernandes, que acompanhava o filho e a nora.Apesar da situação, eles querem apressar ao máximo a volta aos EUA, com medo de que novos incidentes fechem os aeroportos. Mas não estão alheios aos problemas que podem enfrentar. "Infelizmente, algumas pessoas estão agredindo os árabes. Espero que não me confundam", disse Fábio, que volta para casa no domingo.O jordaniano naturalizado americano Maher Qutam, de 35 anos, não conseguiu ser atendido. Casado com uma brasileira, ele quer obter a cidadania americana para a mulher.Há três anos no Brasil, Qutam, que foi para os EUA há mais de 20 anos, disse jamais ter tido problemas por causa de sua origem.Ao chegar ao consulado, pouco antes do meio-dia, recebeu a informação de que o órgão já estava fechado. Qutam trabalha na área de telecomunicações e diz que gostaria de voltar aos Estados Unidos para ajudar seus compatriotas, mas ainda tem um ano de contrato a cumprir no Rio.A americana Lina Satamini, de 80 anos, foi uma das pessoas que nesta segunda depositaram flores em frente ao consulado.Ela morou por dois anos em Nova Iorque e durante 38 anos em Washington. "Estou apavorada com essa Terceira Guerra Mundial. Vai ser ruim para todo o mundo, não só para o Hemisfério Norte. Espero que haja paz", disse.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.