Consulado em NY garante que ilegais não serão denunciados

A Prefeitura de Governador Valadares obteve nesta quinta-feira a garantia do Consulado-Geral do Brasil em Nova York de que os nomes de habitantes da cidade emigrados ilegalmente para os Estados Unidos, e que eventualmente estejam desaparecidos ou feridos após o atentado ao World Trade Center, não serão fornecidos a órgãos de controle de imigração norte-americanos. Segundo o secretário de Governo do município, Silvano Gomes, isso poderá facilitar a localização de valadarenses em Nova York. Gomes explicou que, até agora, amigos e parentes dos emigrados, apesar de telefonarem para a Prefeitura, preocupados, em busca de informações, temem revelar os nomes completos de quem procuram.Sem cidadania"Há muitos valadarenses nos Estados Unidos sem visto ou com visto, mas sem cidadania, e o medo das pessoas se justifica porque não sabemos o que o governo americano vai fazer agora; se vai, por exemplo, querer expulsar todos os brasileiros ilegais", afirmou o secretário. A garantia de que a lista dos emigrados de Valadares não será repassada a autoridades norte-americanas foi dada, de acordo com Gomes, pela assistente social do consulado brasileiro em Nova York, Tereza Costa. "Ela disse que a relação será usada apenas para localizar as pessoas e não irá vazar", disse.Para convencer a população da cidade, considerada a que mais tem brasileiros nos Estados Unidos - são entre 30 mil e 40 mil, ou cerca de 20% da população do município, segundo estimativas não-oficiais -, a dar os nomes dos emigrados, a Prefeitura está apelando para a mídia.EsperançaEm entrevisas a emissoras de rádio e tevê e a jornais, Gomes tem reiterado que os valadarenses ilegais nos Estados Unidos não serão denunciados. "Nossa esperança é que todos esses nomes sejam passados e que não haja nenhum deles nas listas oficiais de desaparecidos ou mortos", ressaltou. Até o final da tarde desta quinta-feira, conforme o secretário, não havia informação oficial sobre nenhum valadarense, morador de Nova York, atingido durante a ação dos terroristas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.