Consumo de drogas permanece estável nos EUA

O consumo de drogas nos Estados Unidos permaneceu inalterado em 2000, segundo pesquisa anual da Direção de Abuso de Substâncias e Serviços de Saúde Mental, ligada ao Departamento de Saúde e Serviços Humanos do governo norte-americano. De acordo com o estudo, cerca de 6% dos norte-americanos maiores de 12 anos, aproximadamente 14 milhões de pessoas, consumiram drogas ilegais no ano passado, praticamente o mesmo número registrado em 1999. Em contraste, a pesquisa mostra que a porcentagem de adolescentes entre 12 e 13 anos que consumiram drogas ilegais pelo menos um mês antes de serem entrevistados caiu de 3,9% para 3% em 2000 com relação ao ano anterior. O estudo revelou também que o número de pessoas que fumaram maconha pela primeira vez em 2000 caiu para 2 milhões. Em 1996, por exemplo, esta cifra era de 2,6 milhões. Por outro lado, o consumo de cannabis entre as mulheres cresceu de 3,1% (1999) para 3,5% (2000). A pesquisa identificou como uma preocupação emergente o uso do poderoso analgésico OxyContin para fins que não médicos. O número de consumidores do OxyContin subiu de 221.000 em 1999 para 400.000 em 2000. A pílula, que gera um estímulo rápido e potencialmente letal quando é mastigada, aspirada ou injetada, já foi vinculada a mais de 100 mortes em todo o país em 1998.

Agencia Estado,

05 Outubro 2001 | 17h52

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.