Continua ofensiva americana em Samarra

Os pesados combates iniciados pelas forças americanas na quinta-feira contra a cidade de Samarra, a norte de Bagdá, prosseguiram neste sábado e o general John Batiste, da 1ª Divisão de Infantaria do Exército dos Estados Unidos, informou, em entrevista à rede de TV CNN, que a operação já resultou na morte de 125 rebeldes e na detenção de 88. Entretanto, o Exército dos EUA informou que um soldado morreu e sete ficaram feridos quando uma força de 5.000 homens tentou tomar a prefeitura, a mesquita principal e outros locais importantes de Samarra. Um membro da Guarda Nacional iraquiana ficou ferido na ação. Bombardeios aéreos dos EUA tiveram como alvo também a cidade de Faluja, onde sete pessoas morreram. Um carro-bomba explodiu hoje na cidade, apontada como forte reduto do jordaniano Abu Musab al-Zarqawi, com supostos laços com a rede extremista Al-Qaeda. A explosão do carro-bomba ocorreu quando um comboio americano passava por uma estrada nas proximidades da entrada da cidade. A TV Al-Jazira, citando testemunhas, informou que o atentado deixou "vários feridos", mas não mencionou nenhuma morte. Os bombardeios em Faluja tiveram como alvo principalmente o bairro de El-Yaiti, no centro da cidade. Segundo fontes iraquianas, a maior parte dos mortos e feridos na cidade é de mulheres e crianças. As forças americanas anunciaram ainda em um comunicado que três de seus soldados ficaram feridos hoje na explosão de um carro-bomba em Mossul, 420 quilômetros ao norte de Bagdá. Segundo a nota, os três feridos foram trasladados para um hospital militar. Aviões dos EUA bombardearam na madrugada de hoje também supostos objetivos rebeldes na Cidade Sadr, o grande subúrbio xiita de Bagdá. Não há notícias de vítimas. Enquanto isso, o grupo radical islâmico Ansar l-Sunna distribuiu hoje pela internet um vídeo que mostra a decapitação de um refém, identificado como o civil iraquiano Barea Nafea Dawoud Ibrahim. No vídeo, um militante do grupo informa que Ibrahim era "um dos mais importantes contratados" das forças americanas, especificando que ele trabalhou na construção dos reservatórios de água e no sistema de ar-condicionado da base de Al-Taji, no norte de Bagdá.

Agencia Estado,

02 Outubro 2004 | 16h29

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.