Contra covid-19, palestinos pedem a Israel fechamento de acessos à Cisjordânia

Contra covid-19, palestinos pedem a Israel fechamento de acessos à Cisjordânia

Taxas de contágio atingiram níveis 'sem precedentes', afirmou porta-voz palestino Mohamed Shtayyeh

Redação, O Estado de S.Paulo

07 de julho de 2020 | 03h00

RAMALLAH - O governo palestino pediu a Israel nesta segunda-feira, 6, que feche todos os acessos à Cisjordânia ocupada para lutar contra a propagação do novo coronavírus, depois do aumento do número de casos.

Na semana passada, a Autoridade Palestina já havia decidido isolar por cinco dias, a partir de 3 de julho, as zonas sob sua administração na Cisjordânia.

Esta medida não tem efeito, porém, nas áreas deste território sob controle israelense.

Desde 1967, o Estado hebreu ocupa a Cisjordânia, um território palestino do qual controla todas as entradas.

"As taxas de contágio alcançaram níveis sem precedentes na Palestina por várias razões. Entre elas, o fato de que não controlamos nossos acessos, nem fronteiras", afirmou o primeiro-ministro palestino, Mohamed Shtayyeh.

"Pedimos a Israel que feche todos os acessos e, aos palestinos que trabalham em Israel, que permaneçam em seus locais de trabalho e que não voltem aos territórios palestinos", acrescentou.

Segundo o último balanço do Ministério palestino da Saúde, mais de 4.200 pessoas contraíram a covid-19 na Cisjordânia, e 16 delas morreram. Há uma semana, havia 2.015 casos.

A maioria das pessoas foi contaminada após participar de casamentos, ou de enterros. Os demais infectados são palestinos que se deslocaram para Israel, completou Shtayyeh.

Em Israel, as autoridades anunciaram mais de 30 mil casos, com mais de 330 óbitos. /AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.