Contra Guantánamo, ex-espião faz greve de fome

O ex-agente secreto britânico Harry Ferguson iniciou uma semana de greve de fome em solidariedade aos prisioneiros mantidos pelos Estados Unidos na base naval de Guantánamo, Cuba.

AE, Agência Estado

13 Agosto 2013 | 13h25

Ele dedicou a greve de fome em especial a Shaker Aamer, que morou no Reino Unido e é um dos três prisioneiros alimentados à força pelos EUA em Guantánamo.

Ferguson trabalhou no MI6, o serviço de espionagem internacional do Reino Unido. Em um blog, Ferguson relatou hoje que sentiu dor e seu nível de energia "caiu a zero" no primeiro dia sem comida. Ao contrário de Aamer, porém, ele ressalva que não é obrigado a enfrentar o "horror" de ser alimentado contra a vontade.

Ao anunciar a greve de fome, Ferguson afirma que já teve muito orgulho de trabalhar no MI6, mas hoje sente vergonha pelo apoio britânico à prática norte-americana de manter prisioneiros por tempo indeterminado e sem direito a julgamento com base em suspeitas de "terrorismo". Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.