Contra opinião da UE, EUA atacam no Ramadã

A assessora de Segurança Nacional dos EUA, Condoleezza Rice, disse nesta quinta-feira que seu país "não pode permitir-se a suspensão da luta contra o terrorismo" durante as celebrações do Ramadã. Os festejos muçulmanos do Ramadã começam em 17 de novembro. Líderes de vários países islâmicos - entre eles, a presidente da Indonésia, Megawati Sukarnoputri -, têm pedido aos EUA que cessem os ataques durante o mês sagrado do Ramadã. Também a União Européia (UE) considerou nesta quinta-feira ser necessário "irritar" o menos possível o mundo muçulmano com os bombardeios sobre o Afeganistão durante a festividade muçulmana. No entanto, para Rice, o terrorismo "é um inimigo que deve ser enfrentado de modo agressivo, até o fim, e isso é o que pretendemos fazer". "Nossa única decisão", acrescentou, "é a de ir às raízes do terrorismo no Afeganistão e erradicar estas organizações em todo o mundo e por todos os meios possíveis. Não podemos nos dar ao luxo de uma pausa." Leia o especial

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.