Contra terrorismo na Europa, EUA intensificam ataques no Paquistão

CIA afirma que insurgentes estariam planejando ataques na França, na Alemanha e no Reino Unido

Efe

28 de setembro de 2010 | 05h00

WASHINGTON - A Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA) aumentou a intensidade dos ataques aéreos contra zonas do Paquistão fronteiriças com o Afeganistão, em uma tentativa de frustrar eventuais atentados terroristas na Europa, informaram veículos de imprensa americanos nesta terça-feira, 28.

 

Veja também:

especialEspecial: As franquias da Al-Qaeda

Em setembro, a CIA efetuou pelo menos 20 ataques com aviões sem pilotos que lançam mísseis contra supostos alvos terroristas nas zonas tribais do noroeste do Paquistão, segundo informam os jornais The New York Times e The Wall Street Journal e a rede televisiva CNN.

A iniciativa responde às informações sobre supostos "complôs" para realizar atentados terroristas no Reino Unido, França ou Alemanha, segundo funcionários não identificados da CIA consultados pelo The Wall Street Journal.

"O propósito de tudo isto é desmantelar os complôs terroristas, independente da fase de desenvolvimento em que estejam e sejam quais forem os locais onde pretendem realizar atentados", disse à CNN um funcionário que pediu o anonimato.

Por sua vez, o The New York Times afirmou que "os ataques refletem a crescente frustração, tanto no Afeganistão como nos EUA, perante a impressão de que o governo do Paquistão não foi suficientemente agressivo na tentativa de despejar os militantes de suas bases nas montanhas ocidentais do país".

As atuais operações da CIA se centram na região do Waziristão do Norte, considerada um "refúgio" para Al-Qaeda e os talebans.

O governo paquistanês protestou formalmente por dois ataques que foram lançados domingo e segunda-feira com helicópteros americanos da Otan, desde o Afeganistão, contra a zona fronteiriça do Paquistão, nos quais morreram entre 30 e 70 pessoas, segundo as versões.

A rede Haqqani, vinculada à Al-Qaeda, segundo analistas, prepara atentados terroristas na Europa.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.