Contraofensiva rebelde é detida a 130 km de cidade natal de Kadafi

Insurgentes retomaram municípios petrolíferos no final de semana, mas enfrentam resistência em Sirte

estadão.com.br

28 de março de 2011 | 16h20

Atualizado às 18h07

 

Rebeldes montam guarda perto de Sirte, no centro da Líbia.

 

LONDRES - Os rebeldes líbios conseguiram avanços significativos nos últimos dias contra as tropas de Muamar Kadafi, mas não conseguem vencer a resistência do ditador em Sirte, região central da Líbia. Os insurgentes permanecem a 130 quilômetros a leste da cidade, de acordo com o enviado do Estado à Líbia, Lourival Sant'anna.

 

Veja também: 
especialTwitter: 
Acompanhe os relatos de Lourival Sant'anna

especialLinha do Tempo: 40 anos de ditadura na Líbia
blog Arquivo: Kadafi nas páginas do Estado
especialInfográfico:  A revolta que abalou o Oriente Médio

especialEspecial: Os quatro atos da crise na Líbia
especialCharge: O pensamento vivo de Kadafi

 

Em dois dias, os rebeldes avançaram 240 quilômetros na direção oeste, auxiliados pelos ataques aéreos da coalizão internacional. Com o caminho aberto, os contrários a Kadafi foram de Ajdabiya à cidade natal do ditador. Durante o final de semana, eles retomaram Ras Lanuf, Brega e Ben Jawad, sedes de importantes terminais petrolíferos líbios, segundo o jornal britânico The Guardian.

 

 

Alguns rebeldes afirmam ter tomado Sirte, mas não há sinais de opositores no controle da cidade. Em vez disso, as forças de Kadafi no local recebiam reforços vindos de Trípoli e outros municípios a oeste, sob controle do ditador. A maioria dos veículos que chegava, porém, carregava armamentos leves. As principais armas dos leais ao coronel líbio foram destruídas pela ação da coalizão internacional.

 

 

De acordo com o enviado do Estado, os rebeldes parecem estar lutando em igualdade de condições com as forças de Kadafi. Depois da destruição ou abandono de pelo menos 55 tanques, as forças do ditador lutam com foguetes e artilharia - assim como os insurgentes.

 

Os ataques aéreos contra as forças de Kadafi parecem fazer efeito também sobre os soldados que tentam defender a cidade natal do coronel. Um médico que trata os militares do governo disse ao Guardian que houve centenas de mortos e feridos nos últimos ataques e que os soldados estão desanimados com a investida dos rebeldes.

 

Desde que a coalizão internacional iniciou a incursão na Líbia para assegurar o cumprimento de uma resolução do Conselho de Segurança da ONU, no último dia 19, os rebeldes conseguiram retomar parte do país. Eles haviam encurralado Kadafi no início da revolução, mas as tropas do ditador, mais bem treinadas e equipadas, repeliram a investida.

 

Atualmente, o leste do país permanece sob controle rebelde. Na região fica Benghazi, o principal reduto dos insurgentes, onde eles instituíram um órgão de governo provisório. Kadafi, por sua vez, controla o oeste, onde está a capital, Trípoli. Cidades como Misrata, na região oeste, ainda são disputadas pelos dois lados.

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.