Rodi Said / Reuters
Rodi Said / Reuters

Contrariando objeção turca, EUA fornecerão armas à milícia curda na Síria 

O objetivo, segundo o Pentágono, é que as milícias possam trabalhar na recaptura da cidade de Raqqa do Estado Islâmico

O Estado de S. Paulo

09 Maio 2017 | 16h33

WASHINGTON - O presidente Donald Trump aprovou o envio de armas pesadas às milicias curdas YPG (Unidades de Proteção Popular) que combatem o grupo extremista Estado Islâmico (EI) na Síria. O objetivo, segundo o Pentágono, é que as milícias possam trabalhar na recaptura da cidade de Raqqa dos terroristas.  

Comandantes militares americanos têm, há tempos, defendido a possibilidade de armar o YPG, a milícia curda que conta com alguns dos mais experientes combatentes entre as forças sírias na guerra contra o Estado Islâmico. 

Mas a Turquia tem se oposto firmemente contra tal decisão, insistindo que os combatente curdos estão ligados ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), o qual é classificado como um grupo terrorista tanto por Ancara como por Washington. 

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, se encontrará com Trump em Washington este mês, e a decisão americana de armar os curdos deverá dominar as discussões entre eles.

A Turquia foi informada da decisão de Trump, de acordo com um funcionário do governo americano que falou em condição de anonimato.

Ainda que os soldados curdos sejam fortes combatentes, funcionários americanos argumentam que eles precisarão de mísseis antitanques, metralhadoras pesadas, morteiros e veículos armados para retomar Raqqa do Estado Islâmico, que está muito bem equipado e fortificado em suas posições. 

Não está claro como a administração Trump planeja evitar uma retaliação ou uma dura resposta da Turquia. Mas militares americanos afirmam que uma saída seria os EUA providenciaram armas aos combatentes somente o suficiente para a tomada de Raqqa, enquanto restringem o suprimento de armas e munição que poderiam receber após a operação. 

"Seríamos transparentes com eles", disse o general Joseph L. Votel, comandante do Comando Central dos Estados Unidos, sobre os turcos. "Poderíamos dosar coisas como munição." 

Dana White, porta-voz chefe do Pentágono, anunciou a decisão em um comunidado nesta terça-feira. "Ontem (segunda-feira), o presidente autorizou o Departamento de Defesa a equipar os curdos das Forças Democráticas da Síria suficientemente para garantir uma clara vitória sobre o EI em Raqqa, Síria", disse ele. / The New York Times e AFP

Mais conteúdo sobre:
SíriaPentágonoEstados Unidos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.