BNPB / AFP
BNPB / AFP

Controlador aéreo indonésio vira herói após terremoto

Jovem de 21 anos se negou a abandonar sua posição até a decolagem de um avião comercial que estava sob sua responsabilidade

O Estado de S.Paulo

30 Setembro 2018 | 16h45

JACARTA - A terra começou a tremer, mas o controlador aéreo permaneceu em seu posto para garantir a decolagem de um avião comercial. Morto no terremoto que sacudiu a ilha indonésia de Celebes, Anthonius Gunawan Agun virou um herói nacional.

O indonésio de 21 anos estava no aeroporto de Mutiara SIS Al Jufrie de Palu, na região oeste do arquipélago de Celebes, quando os primeiros tremores foram sentidos na sexta-feira.

De acordo com a direção do aeroporto, o jovem se negou a abandonar sua posição até a decolagem do avião da companhia indonésia Batik Air. Seus colegas de trabalho, que não supervisionavam esta aeronave, já haviam abandonado o local.

"Quando aconteceu o terremoto, ele estava autorizando a decolagem de um voo da Batik Air e esperou que o avião estivesse no céu para abandonar a torre de controle do tráfego aéreo", afirmou o porta-voz da AirNav Indonesia, que supervisiona o controle aéreo, Yohanes Harry Sirait.

Após a decolagem do voo 6231, os tremores se tornaram mais intensos, até o terremoto de 7,5 graus de magnitude. 

O terremoto e o tsunami posterior deixaram pelo menos 832 mortos na região.

O edifício começou a desabar e Agung saltou do quarto andar. O jovem fraturou as duas pernas e sofreu diversas lesões internas.

Ele foi levado para um hospital, mas não resistiu aos ferimentos e morreu antes do envio de um helicóptero que o transportaria para um centro médico em melhores condições.

Em um comunicado, a AirNav informou que Agung será promovido em dois níveis a título póstumo, como reconhecimento a seu valor. No Twitter, a companhia prestou uma homenagem ao jovem. 

A imprensa local reservou um grande espaço para elogiar o ato heroico do controlador aéreo. / AFP

Mais conteúdo sobre:
terremoto tsunami Indonésia [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.