Controlador permitiu ataque por engano

Um soldado norte-americano que dirigiu em terra um bombardeio acidental no Kuwait permitiu oataque e, tardiamente, pediu ao piloto do Hornet F/A-18 para que abortasse a missão de treinamento, informaram nesta terça-feiraautoridades norte-americanas ligadas ao caso.Alguns detalhes do acidente ocorrido ontem permanecemobscuros. Mas oficiais disseram hoje, sob condição de anonimato,que um controlador de vôo dirigiu de modo errado o bombardeio etentou cancelá-lo quando já era tarde demais.Cinco soldados norte-americanos e um major neozelandêsmorreram no incidente. O governo da Nova Zelândia encaminhou àCasa Branca um pedido urgente de explicações sobre o ocorrido.Aparentemente, duas das três bombas lançadas caíram nasproximidades do posto de observação avançado ocupado pelocontrolador de vôo, disse o almirante Craig Quigley nestaterça-feira. Quigley, falando em nome do Pentágono - oDepartamento de Defesa dos Estados Unidos -, não confirmou aseqüência dos eventos.Cinco militares norte-americanos e dois kuwaitianos ficaramferidos. Nenhum deles corre risco de morte, informou oPentágono. Um norte-americano gravemente ferido foi levado a umhospital na Alemanha. Outros dois serão levados para lá quandoreceberem permissão para viajar, disse Quigley.De acordo com ele, o acidente ocorreu em meio à escuridão, comsensores de infravermelho ativados para visão noturna, e ascondições climáticas não representavam um problema."Tragicamente, as bombas caíram perto de soldados que estavamem um posto de observação na linha de tiro", comentou ele sobreo acidente.De acordo com ele, o erro ocorreu quase no fim de uma sessãode exercícios militares de grande proporção, com 79 de 85decolagens concluídas. Três bombas de 227 quilogramas foramlançadas pelo avião da Marinha. Nenhuma delas era teleguiada.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.