Controle de terrorismo está mais difícil no Afeganistão

Trechos de relatório publicanos por jornais dizem que EUA não têm estratégia global para coordenar a missão

Agências internacionais,

09 de outubro de 2008 | 09h09

A luta contra grupos terroristas no Afeganistão está cada vez mais difícil, o que vem preocupando o governo americano, informou nesta quinta-feira, 9, o jornal The Washington Post. Tanto ele quanto o The New York Times compilam partes de um novo relatório dos serviços secretos americanos sobre o Afeganistão.   Segundo o Post, o relatório, denominado "National Intelligence Estimate" explica que "elementos recompostos da Al-Qaeda e do Taleban estão colaborando com uma rede ampliada de grupos de militantes". "O relatório conclui que o fracasso da autoridade central no Afeganistão se acelerou por corrupção endêmica no governo do presidente Hamid Karzai e pelo aumento da violência por terroristas que lançaram ataques cada vez mais sofisticados de refúgios no Paquistão", assegura o NYT.   Por sua vez, o Post ressalta que os EUA não têm uma estratégia global para planejar e coordenar suas operações no Afeganistão e contra estes refúgios no Paquistão. Após assinalar que o presidente George W. Bush se comprometeu a enviar mais milhares de soldados ao Afeganistão e que na semana passada unificou o comando de todas as tropas estrangeiras no país sob um único general, o Washington Post acrescentou que "a estas e a outras iniciativas ainda falta um marco estratégico". "As forças militares de Operações Especiais e os agentes da CIA, que fazem incursões secretas no oeste do Paquistão, têm entrar no projeto maior, junto com as novas plataformas de inteligência e vigilância testadas no Iraque", seguiu.   O Washington Post ressalta que, além disso, são previstas grandes despesas adicionais para continuar a guerra no Afeganistão, para as quais os EUA pretende arrecadar fundos entre seus aliados. O Times afirma que a versão completa do relatório será finalizada depois das eleições de novembro, e mostrarão o avanço do conflito no Afeganistão nos últimos anos.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoterrorismoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.