Controvérsia toma conta da constituinte afegã

A histórica reunião da Loya Jirga (Grande Conselho) para debater e ratificar uma proposta de constituição para o Afeganistão afundou no caos, depois que surgiram denúncias de que o governo estaria tentando limitar os debates e uma delegada qualificou como "criminosos" os líderes de milícias que ocupam importantes posições na assembléia constituinte.Simpatizantes do ex-presidente Burhanuddin Rabbani acusaram o governo de tentar obrigá-los a acatar o sistema presidencial, que segundo eles, daria demasiado poder a Hamid Karzai, o presidente afegão apoiado pelos Estados Unidos. Participantes da assembléia pedem a criação de um posto de primeiro-ministro, com o objetivo de contrabalancear a influência do presidente. Nesta quarta-feira, diversos delegados ameaçaram abandonar o debate sobre o tema.A sessão matutina gerou ainda mais controvérsia quando a delegada Malalai Joya denunciou líderes como Rabbani. "Por que vocês voltaram a escolher para presidir a comissão esses criminosos responsáveis por tragédias contra o povo afegão? Em minha opinião, eles deveriam ser levado a um tribunal internacional", sugeriu Joya, uma delegada da província de Farah.Muitos líderes milicianos que combateram a União Soviética durante a década de 80 ainda controlam vastas regiões do Afeganistão e são acusados de corrupção e desrespeito aos direitos humanos. Depois da expulsão dos soviéticos, as milícias afegãs iniciaram uma guerra civil que devastou a maior parte de Cabul.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.