Convenção ''americanizará'' Obama

Mulher do candidato, Michelle, discursa para provar a eleitores reticentes que ele é exemplo do sonho americano

Patrícia Campos Mello, DENVER, O Estadao de S.Paulo

25 de agosto de 2008 | 00h00

A mulher do candidato Barack Obama, Michelle, faz hoje o discurso que abre a Convenção Democrata, em Denver. É a primeira vez que uma potencial primeira-dama tem uma participação tão importante no evento, que tem como objetivo escolher ou ratificar o nome do candidato do partido à presidência. Acompanhe online o noticiário sobre eleições nos EUAO primeiro dos quatro dias da convenção será dedicado a "americanizar" Obama, mostrando suas raízes e história de vida. Para isso, também foram convocados o irmão de Michelle, Craig Robinson, e a meia-irmã de Obama, Maya Soetoro-Ng, que falarão sobre a trajetória e a família do candidato democrata.Com isso, os democratas pretendem atrair eleitores que ainda relutam com a perspectiva de pôr na Casa Branca um candidato negro com um histórico incomum: filho de um muçulmano do Quênia e uma mãe branca do Kansas, Obama cresceu na Indonésia e no Havaí.Na convenção, os parentes de Obama querem mostrar que o candidato é o exemplo do sonho americano: abandonado pelo pai, cresceu com dificuldades financeiras, ganhou bolsa de estudos para cursar uma boa escola e universidades de primeira linha - e depois rejeitou empregos com altos salários para trabalhar como líder comunitário em Chicago. Michelle, que cresceu no bairro pobre de South Side, em Chicago, e estudou nas Universidades Princeton e Harvard com bolsas de estudos, também falará de sua experiência com a meritocracia americana. À noite, haverá uma homenagem ao senador Ted Kennedy, um dos mais admirados legisladores democratas, que está lutando contra um câncer no cérebro. Será exibido um documentário sobre o senador, que pode fazer uma aparição surpresa.O ex-presidente Jimmy Carter, a presidente da Câmara, Nancy Pelosi, a senadora por Missouri, Claire McCaskill (uma das primeiras a anunciar seu apoio a Obama), e o deputado e veterano do movimento de Direitos Civis Jesse Jackson também vão participar da Convenção Democrata. A cidade inteira está enfeitada para receber 50 mil pessoas. Há muitos voluntários pelas ruas, ajudando delegados e jornalistas com a conhecida simpatia do Oeste. Vendedores de souvenir ocupam várias esquinas, oferecendo broches e burrinhos de pelúcia - símbolo do partido Democrata.Lobistas e várias organizações estão patrocinando mais de 300 festas na cidade, muitas restritas aos grandes contribuintes do partido. Artistas como Scarlett Johanssen, Kanye West, Black Eyed Peas, Sheryl Crow e Stevie Wonder estarão na cidade. Nas esquinas, pessoas seguram cartazes pedindo: "Preciso de ingressos!" Eles se referem ao evento mais disputado da convenção - o discurso de Obama no Estádio Invesco, na quinta-feira à noite. O estádio pode acomodar 70 mil pessoas e 40 mil ingressos foram oferecidos para moradores do Estado do Colorado. Esses ingressos esgotaram em 24 horas e existem mais de 35 mil pessoas na fila de espera.Nesses quatro dias, o desafio de Obama, segundo assessores, será não só fazer os eleitores o enxergarem como alguém capaz de tomar as rédeas do país, mas também conseguir unir definitivamente os democratas, após uma acirrada disputa com a ex-primeira-dama Hillary Clinton pela indicação do partido.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.