Convenção democrata começa com críticas a Bush

O ex-vice-presidente Albert Gore, que recebeu mais sufrágios do que George W. Bush há quatro anos, mas perdeu a disputa dos votos que definem as eleições presidenciais nos Estados Unidos, abriu a convenção nacional do Partido Democrata, nesta segunda-feira, conclamando os eleitores a pesar a escolha que farão no dia 2 de novembro à luz das decisões tomadas na Casa Branca sob o comando republicano. Depois foi a vez dos ex-presidentes Jimmy Carter e Bill Clinton, que, como Gore, mesclaram duras críticas a Bush com elogios ao papel de líder de Kerry.Dizendo que Bush criou ?profundos problemas? para os americanos com suas políticas econômica, externa e ambiental, Gore pediu aos militantes democratas que lembrem do desapontamento e da frustração que amargaram com ele em 2000 e ?focalizem esses sentimentos total e completamente na tarefa de colocar Kerry e John Edwards na Casa Branca?. Carter fez uma contundente denúncia da política externa de Bush, atacando particularmente o fato de a administração ter alienado o apoio internacional que os EUA receberam depois dos ataques terroristas de 11 de setembro de 2001. ?A verdade é a base de nossa liderança global, mas nossa credibilidade foi abalada e estamos cada vez mais isolados e vulneráveis num mundo hostil?. disse Carter.Apresentado por sua mulher, a senadora por Nova York Hillary Rhodam Clinton, o ex-presidente Bill Clinton qualificou Kerry de ?líder visionário? e prometeu ser ?um soldado na luta? para retirar Bush da Casa Branca. ?Vamos dizer não quem é bom ou mau, mas qual é o melhor caminho para construir o mundo seguro e próspero que nossos filhos merecem?, afirmou Clinton.Unidos por sua repulsa a Bush e pela sensação de quem tem uma chance real de reconquistar a Casa Branca, os democratas têm a delicada tarefa esta semana de administrar sua ira com uma mensagem positiva de mudança. A despeito da perda de interesse nas convenções partidárias, elas continuam a ser a plataforma mais importante para a definição a imagem do candidato. Segundo pesquisas, mais de 60% dos eleitores deverão assistir ao discurso de Kerry na noite de quinta-feira.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.