Paulo Beraldo/Estadão
Paulo Beraldo/Estadão

Cooperação internacional é requisito para humanidade sobreviver, diz analista

Pesquisador diz que será preciso trabalhar mais para combater a pobreza, promover o consumo sustentável e que no período pós-crise será necessário intensificar ações coordenadas entre países

Entrevista com

Sven Grimm, cientista político do Instituto Alemão de Desenvolvimento

Paulo Beraldo, O Estado de S.Paulo

24 de abril de 2020 | 09h14

Diante de uma pandemia que já contaminou 2,7 milhões de pessoas, tirou a vida de mais de 185 mil e coloca o planeta na pior recessão desde os anos 30, o cientista político Sven Grimm, do Instituto Alemão de Desenvolvimento, defende que os países devem se unir e promover cada vez mais ações de cooperação. 

Segundo Grimm, coordenador da área de cooperação entre governos e instituições, a necessidade imediata se vê na busca de uma vacina para combater o novo coronavírus e, futuramente, em sua distribuição. Mas vai além: os desafios que o mundo enfrentava antes da pandemia continuam lá, como a desigualdade social, a fome e as mudanças climáticas. 

"Os desafios no centro desta agenda não desapareceram e alguns se tornarão mais urgentes. Com a pandemia, é provável que haja um retrocesso de alguns anos", disse.  Abaixo a entrevista. 

Quais consequências a pandemia do novo coronavírus terá no multilateralismo?

Uma pandemia pede claramente a cooperação global. A necessidade de cooperação fica clara, por exemplo, na busca por uma vacina e, em um futuro não muito distante, em uma campanha global de vacinação. E  nós temos as instituições para isso. No momento, ainda estamos no meio da crise e não compreendemos totalmente as consequências. 

Além da reação imediata, alguma cooperação mais forte deve resultar e veremos de que forma isso acontecerá, seja em novas instituições ou em instituições antigas modificadas. O secretário-geral da Organização das Nações Unidas, Antonio Guterres, apontou possíveis riscos à segurança relacionados à crise. 

Que resultados podemos prever com os elementos do atual cenário? 

Enfrentaremos graves conseqüências econômicas em todo o mundo, o que resultará em estresse nas sociedades e possíveis melhorias políticas. A pandemia provavelmente tornará as desigualdades mais pronunciadas, de modo que o objetivo de reduzir as desigualdades se tornará mais urgente. Mas os desafios anteriores à pandemia não desapareceram. 

As respostas políticas aos efeitos econômicos e sociais da crise - na Europa e em outros lugares - precisam ser construídas em torno da necessidade fundamental de mudar nosso modo de vida. E para isso também precisamos de mais cooperação e um melhor entendimento um do outro. A cooperação internacional não é um ato individual, um favor de graça, mas sim (fazer algo também) do nosso próprio interesse. A cooperação é um requisito para nossa sobrevivência como humanidade. 

Acredita que o coronavírus vai fortalecer a cooperação internacional ou pode enfraquecer instituições internacionais, reforçando nacionalismos, por exemplo?

Uma vez terminada a crise, vejo um desejo reprimido de renovadas interações transnacionais. Certamente depende de quanto tempo essa crise vai durar, de quão bem-sucedidos seremos em manter a crise gerenciável, em "achatar a curva" das infecções e desenvolver uma vacina. Vimos uma reação instintiva de fechar fronteiras e bloquear as exportações de certos produtos médicos em alguns países europeus.

Essa foi a resposta imediata. Em muitos lugares, fomos lançados de volta para uma vida cotidiana muito local, com interação pessoal muito limitada e muito menos transnacional. Ao mesmo tempo, permanecemos intimamente conectados e mantemos vínculos por meios digitais.

E sobre a questão do nacionalismo?

O nacionalismo ganhou força nos anos de 2010, mas falhas nas políticas puramente nacionalistas e populistas se tornarão aparentes. Eu esperaria que vários populistas fossem levados pela crise. A necessidade de Estados capazes e responsáveis ​​para servir ao bem comum ficou evidente. 

766E3C01-53A8-483E-9B06-CCE0C7108013
Levantar bandeiras e ter líderes fortes não protegem as sociedades dos desafios que enfrentam em um mundo fortemente interconectado.
E0EAB005-9061-4B3D-86B9-AEB61693E313

Mantemos o bem comum global no debate. A necessidade fundamental de mais cooperação ainda está lá. As mudanças climáticas e as mudanças em nosso ecossistema em um planeta com mais de oito bilhões de habitantes só podem ser tratadas em ações coordenadas. 

Você acredita que esse momento é uma oportunidade para os países avançarem com mudanças e reformas em instituições internacionais? Em caso afirmativo, que reformas você acha que deveriam ser implementadas para ter uma melhor resposta a problemas transnacionais, como uma pandemia?

Uma crise sempre mostra a necessidade de algumas mudanças. No entanto, não acredito que agora seja a hora da reforma fundamental das instituições. Eu veria as consequências da pandemia como o momento crucial, quando os efeitos de nossa luta imediata contra o vírus aparecerem.

Espero que alcancemos esse ponto além do pico em breve, pois outros desafios globais não esperam por nós e se tornam mais fortes. A questão central deve ser: Como as organizações e Estados podem ser mais eficazes para servir as pessoas e permitir a sobrevivência do planeta? 

E qual a resposta para essa questão? 

Antes da pandemia, já tínhamos debates sobre políticas e elaboramos uma agenda para transformar nossas vidas, nossas sociedades e economias na direção da sustentabilidade. Os desafios no centro desta agenda não desapareceram e alguns se tornarão mais urgentes. Com a pandemia, é provável que haja um retrocesso de alguns anos. 

Teremos que trabalhar mais para combater a pobreza e ainda precisaremos de mudanças em direção ao consumo sustentável e à energia renovável, trabalhando para deter a perda de biodiversidade. Esses elementos estão ligados a pandemias, à medida que nos tornamos mais vulneráveis ​​pela falta de serviços básicos, poluição do ar e a perda de hábitos.

A União Europeia está lentamente adquirindo tração em suas respostas, uma vez que não possui um mandato em saúde pública. O G-20 é necessário para os efeitos econômicos de longo prazo. Ainda discutimos com líderes irresponsáveis ​​em posições de tomada de decisão.

Mesmo antes dessa crise, sabemos que, em toda a sua complexidade, o sistema da ONU precisa de reformas, e algumas reformas podem ser catalisadas pela crise. Certamente já vemos um debate politizado sobre a saúde pública global e a OMS. Lembre-se de que já tivemos esse debate durante a crise da SARS em 2003. É bem aconselhável que analisemos a resposta a crise e tiremos lições dela. 

Para Entender

'Aliança do Avestruz' - Quem são os autocratas que negam a pandemia?

Líderes de Nicarágua, Turcomenistão e Bielo-Rússia sofrem crítica interna incomum por ditar ordens contra isolamento

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.