Copenhague pede que dinamarqueses deixem o Líbano

O governo dinamarquês pediu hoje a seuscidadãos para deixar o Líbano, depois que manifestantes incendiaramseu consulado em Beirute, em protesto pelas caricaturas sobre oprofeta Maomé, informou o Ministério de Exteriores.O governo dinamarquês, que considera a situação fora de controle,desaconselhou as viagens ao Líbano e pediu a seus cidadãos que se encontram em território libanês que, atéque se esclareçam as possibilidades de saída do país, permaneçam emsuas casas. O ministro de Assuntos Exteriores, Per Stig Moeller, iniciou oscontatos com as autoridades libanesas para esclarecer a situação,assim como com o embaixador da União Européia em Beirute, segundo ocomunicado de Exteriores. As autoridades dinamarquesas mantêm também as recomendações denão viajar à Síria e de deixar este país, após o incêndio ontem daembaixada dinamarquesa em Damasco.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.