Coréia do Norte acusa Seul de tentar matar Kim Jong il

A Coréia do Norte acusou hoje a Coréia do Sul de ter contratado um agente para seguir Kim Jong il e deu a entender que o homem planejou uma tentativa de assassinato do líder antes de ter sido detido. A acusação foi feita em meio à deterioração das relações entre as duas Coréias, bem como as especulações sobre a saúde de Kim, que, segundo reportagens, teria sofrido um derrame e passado por uma cirurgia cerebral em agosto.A Coréia do Norte nega que seu líder de 66 anos esteja doente, divulgando uma enorme quantidade de reportagens e fotografias descrevendo Kim Jong il como saudável e ativo. O Ministério de Segurança de Estado norte-coreano divulgou que o sobrenome do homem detido é Ri e disse que ele foi treinado pela Coréia do Sul para reunir informações sobre os movimentos de Kim. "A organização enviou para ele dispositivos de busca acústicos e de voz para rastrear os movimentos do líder e, no final, envenená-lo", diz o comunicado que também foi lido na televisão estatal norte-coreana.A nota diz que "a missão terrorista" foi ordenada por uma organização de inteligência sul-coreana "para ferir o principal líder" do país. O Serviço de Inteligência Nacional, a principal agência de espionagem sul-coreana, informou que está verificando a acusação.O comunicado da Coréia do Norte, transmitido pela Agência Central de Notícias, o meio de comunicação oficial do país, não menciona Kim pelo nome. Mas o porta-voz do Ministério de Unificação da Coréia do Sul, Kim Ho-nyeon, disse que a mídia estatal norte-coreana já usou tal mecanismo para referir-se a Kim antes. O porta-voz do Ministério de Unificação, que cuida das relações com o lado Norte, disse que não tem condições de confirmar o comunicado.TensãoAs tensões na península coreana ficaram mais fortes desde que um governo conservador, pró-Estados Unidos, foi empossado em fevereiro com a promessa de ser mais rígido com o Norte. As relações pioraram no início do mês depois que a Coréia do Norte restringiu o tráfego na fronteira dos países, o que levou à suspensão das viagens turísticas para a antiga cidade norte-coreana de Kaesong.O comunicado norte-coreano também diz que as autoridades do país prenderam, recentemente, agentes que tentaram reunir amostras de solo, água, folhas de árvores e pó na principal área de produção de munição do país, com o objetivo de reunir informações sobre seu programa nuclear.No início deste mês, os debates sobre o desenvolvimento nuclear no Norte acabaram sem resultados, após a recusa do governo norte-coreano de colocar no papel quaisquer compromissos sobre inspeções de suas atividades atômicas realizadas no passado. Embora seja impossível verificar as acusações de espionagem do governo norte-coreano, sabe-se que os dois países, que participaram da Guerra da Coréia (1950-1953), espionam um ao outro e fizeram complôs para assassinar o líder do outro país no passado.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.