Coreia do Norte adverte que reforçará sua capacidade nuclear

País diz que não abandonará programa atômico enquanto EUA não cessarem ameaças

AP,

08 de outubro de 2010 | 21h06

GENEBRA- A Coreia do Norte advertiu nesta sexta-feira, 8, que continuará reforçando suas capacidade nucleares enquanto os Estados Unidos se negarem a assinar um tratado de paz e continuarem intensificando as ameaças contra o país comunista.

 

Veja também:

linkPartido sinaliza que filho de Kim será seu sucessor na Coreia do Norte

linkCoreia do Norte avança em seu programa de enriquecimento de urânio

 

Sin Son Ho, embaixador norte-coreano na ONU, disse que a Revisão da Postura Nuclear dos Estados Unidos emitida neste ano deu essencialmente "sinal verde" a um ataque nuclear preventivo contra a nação asiática.

 

"isso significa que a atual administração americana se alienou com a mesma postura do governo do (ex-presidente George W.) Bush, que classificou a República Popular Democrática da Coreia como integrante "do eixo do mal" e como alvo de um "ataque nuclear preventivo", disse Sin.

 

Na Revisão divulgada em abril, os Estados Unidos afirmaram que não usariam armas nucleares contra países que não as possuam. A Coreia do Norte não foi incluída nessa promessa porque se nega a recusar a seu programa nuclear.

 

O secretário de Defesa, Robert Gates, disse na ocasião que "todas as opções estão sobre a mesa" para lidar com Pyongyang, o que significa que os EUA não descartaram um ataque nuclear.

 

Sin disse hoje que essas ameaças só agravam a situação. "Quanto mais os EUA perseguirem uma política hostil e intensificarem suas ameaças nucleares contra a soberania e existência de nossa nação, mais a República Popular Democrática da Coreia continuará com suas ações de dissuasão e autodefesa", afirmou.

 

Segundo Sin, sem essa dissuasão nuclear, a península da Coreia já haveria se transformado em um "sangrento campo de batalha".

 

De acordo com um estudo publicado hoje pelo Instituto para a Ciência e Segurança Internacional (ISIS), Pyongyang segue adiante com seu programa de enriquecimento de urânio, uma evolução que melhoraria sua capacidade de produzir bombas nucleares e de vender sua tecnologia e conhecimento a seus países.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.