Jeon Heon-Kyun/Efe
Jeon Heon-Kyun/Efe

Coreia do Norte afirma ter 'poderosos meios de ataque'

Autoridades sul-coreanas e dos EUA dizem que Pyongyang pode estar preparando teste com míssil de médio alcance

Agência Estado

11 de abril de 2013 | 10h01

PYONGYANG - O governo da Coreia do Norte fez novas ameaças nesta quinta-feira, 11, afirmando ter "poderosos meios de ataque" em prontidão para serem lançados. Já Seul e Washington acreditam que o país esteja se preparando para testar um míssil de médio alcance durante as próximas celebrações nacionais.

Mas nas ruas de Pyongyang, os norte-coreanos celebram o aniversário da indicação do jovem líder Kim Jong Un para o principal cargo do Partido Comunista, um de uma série de títulos concedidos a ele nos meses que se seguiram à morte de seu pai, Kim Jong Il, em dezembro de 2011. Os norte-coreanos também se preparam para celebrar o aniversário de nascimento do fundador do país e avô do atual líder, Kim Il Sung, em 15 de abril.

O comitê para a Reunificação Pacífica da Pátria, agência não militar que lida com as relações com a Coreia do Sul, não forneceu detalhes sobre a advertência de ataque. O comunicado é o mais recente de uma série de ameaças bélicas, vistas no exterior como um esforço para elevar os temores e fazer com que Seul e Washington alterem suas políticas em relação à Coreia do Norte.

Autoridades sul-coreanas e norte-americanas dizem que Pyongyang parece estar se preparando para realizar um teste com míssil de médio alcance que teria como objetivo atingir o território de Guam, pertencente aos Estados Unidos, no oceano Pacífico.

O lançamento violaria a resolução do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU), que proíbe a Coreia do Norte de ter atividades nucleares e balísticas, e marcaria uma escalada no impasse entre Pyongyang com países vizinhos e os Estados Unidos.

A Coreia do Norte já vem sendo punida nos últimos meses por ter lançado um foguete de longo alcance em dezembro e por ter realizado um teste subterrâneo nuclear em fevereiro.

Analistas não acreditam que a Coreia do Norte vá realizar um ataque semelhante ao que deu início à Guerra da Coreia em 1950, mas há temores de que a animosidade possa dar início a um conflito que poderia desencadear um sério conflito.

Um funcionário do Ministério da Defesa revelou, em condição de anonimato, que Seul enviou três destróieres navais, uma aeronave de vigilância e um sistema terrestre de radares como medidas de prevenção para um lançamento norte-coreano. O Japão instalou interceptadores de mísseis PAC-3 nas proximidades de Tóquio.

As informações são da Associated Press

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.