Coréia do Norte ameaça aumentar força para conter os EUA

A Coréia do Norte ameaçou reforçar sua força de dissuasão se os Estados Unidos derem seqüência a políticas que Pyongyang vê como ameaças ao governo do Estado comunista. Um porta-voz não identificado do ministério norte-coreano das Relações Exteriores denunciou a Lei de Direitos Humanos na Coréia do Norte, aprovada pelos EUA. "Se os Estados Unidos implementarem cada vez mais desesperadamente sua política hostil para isolar e esmagar a Coréia do Norte, sob o pretexto da ´questão nuclear´ e da ´questão dos direitos humanos´, nós reagiremos com o aumento de nossa força de dissuasão para autodefesa", comentou o porta-voz. A declaração foi publicada pela KCNA, agência de notícias oficial do governo da Coréia do Norte. Em Viena, autoridades austríacas negaram notícias segundo as quais teriam frustrado uma tentativa de assassinato contra Kim Jong Nam, filho mais velho do presidente da Coréia do Norte, Kim Jong Il. O rumor foi noticiado ontem pela agência de notícias Yonhap, da Coréia do Sul. A tentativa de assassinato teria acontecido no mês passado, durante uma visita de Kim Jong Nam à Áustria.Um porta-voz do governo austríaco confirmou que houve a visita, mas negou a tentativa de assassinato. O filho de recluso presidente sul-coreano teve proteção do serviço secreto austríaco durante a visita.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.