Coreia do Norte ameaça fechar complexo em fronteira

Após alertar Seul de que a Península Coreana estava entrando em "estado de guerra", a Coreia do Norte agora ameaça fechar um complexo industrial que é o último importante símbolo da cooperação intercoreana. Analistas consideram um conflito em larga escala extremamente improvável, citando o fato de que a Península Coreana esteve em estado técnico de guerra por 60 anos. Mas as contínuas ameaças feitas pela Coreia do Norte contra Seul e Washington, incluindo a promessa de lançar uma greve nuclear, levantam temores de que um equívoco no modo de lidar com os alertas pode levar a um confronto.

Agência Estado

30 de março de 2013 | 10h48

O parque industrial Kaesong, que usa a força de trabalho norte-coreana e o know-how sul-coreano, vinha operando normalmente, embora Pyongyang tenha desligado o canal de comunicações tipicamente usado para coordenar a viagem de trabalhadores sul-coreanos para as instalações, que ficam logo na fronteira. Os rivais agora estão coordenando as viagens indiretamente por meio de um escritório em Kaesong que tem contato externo com a Coreia do Sul.

Mas um porta-voz não identificado do escritório de controle da Coreia do Norte disse neste sábado que desativará a fábrica, caso a Coreia do Sul continue minando a sua dignidade. Pyongyang se irritou com as reportagens que sugeriram que as instalações permaneciam abertas porque eram uma fonte de riqueza para o empobrecido país.

Dezenas de empresas sul-coreanas administram indústrias na cidade de Kaesong. Usando a barata e eficiente mão de obra norte-coreana, o complexo produziu US$ 470 milhões em bens em 2012. A Coreia do Norte anteriormente lançou ameaças similares quanto às fábricas de Kaesong, mas não as cumpriu. As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.