Coreia do Norte ameaça realizar novo teste nuclear

Pyongyang reafirma compromisso de abandonar diálogo com as 6 potências para o fim do programa atômico

Agências internacionais,

29 de abril de 2009 | 07h39

A Coreia do Norte ameaçou nesta quarta-feira, 29, realizar um novo teste nuclear e lançar um míssil de alcance intercontinental, segundo o Ministério de Relações Exteriores norte-coreano, citado pela agência estatal KCNA. Pyongyang reafirmou ainda seu compromisso de abandonar as negociações de seis lados e de seguir adiante com seu rearmamento nuclear, um processo já reatado pelo país, apesar das sanções do Conselho de Segurança da ONU.

 

Veja também:

Especial: As armas e ambições das potências nucleares

lista Conheça o arsenal de mísseis norte-coreano

 

A ameaça de Pyongyang acontece após a recente condenação do Conselho de Segurança da ONU por seu lançamento de um foguete de longo alcance, no último dia 5, e depois de ter anunciado seu abandono das negociações de seis lados para o seu desmantelamento nuclear. "Se o Conselho de Segurança da ONU não se desculpar de forma imediata, adotaremos como medidas de defesa própria o teste nuclear e o lançamento de um míssil balístico intercontinental", assegurou um porta-voz da chancelaria norte-coreana.

 

"Reiteramos que nosso país não participará mais do diálogo de seis lados e intensificará seu poder dissuasório nuclear em todos os sentidos", informou o diário Rodong Sinmun, publicado pelo Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte, citado pela agência sul-coreana Yonhap.

 

A Coreia do Norte participava da negociação de seis lados, aberta em 2003 a fim de alcançar o desmantelamento nucleardo regime comunista, junto com Coreia do Sul, Estados Unidos, Japão, China e Rússia, mas este processo está estagnado desde dezembro. No último sábado, o regime comunista da Coreia do Norte anunciou que havia reiniciado o processo para extrair plutônio em Yongbyon, sua principal usina nuclear.

 

O anúncio norte-coreano acontece um dia depois de um comitê do Conselho de Segurança da ONU decidir impor sanções a três empresas vinculadas com o aparato militar da Coreia do Norte por sua possível participação no lançamento do foguete em 5 de abril. Na mensagem desta quarta, Pyongyang assegura que "no mundo atual, injusto e instável, cujas leis internacionais, relações e ordens são manuseadas pelo poder, podemos defender nossa soberania e mostrar dignidade e coragem graças a nossa capacidade de dissuasão nuclear".

 

A Coreia do Norte realizou seu primeiro teste nuclear em outubro de 2006, três meses após lançar vários mísseis, entre eles um Taepodong de longo alcance. No dia 13 de abril, o Conselho de Segurança da ONU condenou o lançamento de um foguete de longo alcance em 5 de abril, considerado pelos EUA como um teste de seu programa de mísseis balísticos.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do NorteCoreia do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.