Coreia do Norte ameaça romper armistício com o Sul

A Coreia do Norte disse que considera equivalente a uma declaração de guerra a decisão da Coreia do Sul de se juntar à iniciativa liderada pelos EUA contra a proliferação de armas nucleares. O regime comunista também declarou que não se vê mais vinculado ao armistício que em 1953 pôs fim à Guerra da Coreia.

AE-DOW JONES, Agencia Estado

27 de maio de 2009 | 03h04

A Iniciativa de Segurança contra Proliferação (PSI, na sigla em inglês), mecanismo criado em 2003 por sugestão dos EUA para a interceptação de navios suspeitos de carregar materiais ou armas de destruição em massa, recebeu ontem a adesão plena da Coreia do Sul, em resposta ao teste nuclear e de mísseis balísticos realizado pela Coreia do Norte nos últimos dias. A decisão de Seul é "uma declaração de guerra contra nós", diz um comunicado de uma representação militar norte-coreana em Panmunjom, na fronteira entre os dois países.

"Nossos militares não mais estarão vinculados ao acordo de armistício, já que a atual liderança dos EUA atraiu as marionetes (Coreia do Sul) para o PSI", afirma o comunicado. Como o armistício não é mais obrigatório, "a península coreana voltará ao estado de guerra", acrescenta o informe oficial. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
Coreia do Norteameaça

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.