Coreia do Norte anula acordo de não-agressão com Seul

A Coreia do Norte declarou hoje nulo todos os acordos militares e políticos com a Coreia do Sul. Pyongyang advertiu que não honrará nenhum tratado se Seul continuar colocando os dois países à beira de uma guerra. Entre os pactos rechaçados hoje há um de não-agressão.O norte-coreano Comitê para a Reunificação da Coreia disse, em um comunicado divulgado pela estatal Agência Noticiosa Central Coreana, que o país se viu obrigado a anular os acordos de paz entre os rivais, por causa da posição linha-dura do presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, com relação ao governo do norte. Pyongyang advertiu que a contínua oposição de Seul somente atrairá "um golpe mais duro e a destruição vergonhosa" para a Coreia do Sul.Por sua vez, Seul criticou o fato de o vizinho não respeitar os tratados. "Os acordos entre sul e norte não podem ser eliminados unilateralmente", afirmou um porta-voz do Ministério da Defesa, Won Tae-jae.Conflito - Tecnicamente, os países estão em guerra desde que um grave conflito de três anos terminou em uma trégua, mas não em um tratado de paz, em 1953. A península onde se encontram permanece dividida por uma zona desmilitarizada fortemente resguardada, com milhares de soldados de cada lado da fronteira.Os vínculos entre os países melhoraram significativamente na década passada. O líder da Coreia do Norte, Kim Jong-il, chegou a se reunir com o presidente sul-coreano Kim Dae-jung, em um encontro histórico em 2000.As tensões, porém, aumentaram depois que o presidente sul-coreano, Lee Myung-bak, assumiu, há quase um ano, com a promessa de endurecer com Pyongyang. O vizinho respondeu com a interrupção de todas as negociações de paz com Seul e a suspensão de importante projetos conjuntos.Neste mês, o Exército da Coreia do Norte acusou o vizinho de preparar-se para uma guerra e disse ter adotado uma "postura de confrontação total" para responder a qualquer agressão do sul. Seul nega ter planejado qualquer ataque contra o norte, mas pôs seu Exército em alerta.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.