Korea News Service/AP
Korea News Service/AP

Coreia do Norte anuncia importante reunião do partido único para este mês

Expectativa é de que cúpula se concentre em discutir medidas de desnuclearização e impasse com Estados Unidos

Redação, O Estado de S.Paulo

04 de dezembro de 2019 | 01h05

O regime norte-coreano anunciou nesta quarta-feira, 4, que convocou, até o final de dezembro, uma importante reunião do partido único para decidir sobre "assuntos cruciais", que podem incluir medidas de desnuclearização relacionadas ao diálogo com os Estados Unidos.

O gabinete político do Partido dos Trabalhadores da Coreia do Norte convocou a quinta reunião plenária do atual Comitê Central de Treinamento para a segunda quinzena de dezembro, de acordo com informações breves publicadas quarta-feira pela agência de notícias estatal KCNA.

O objetivo do conselho é "discutir e decidir sobre questões cruciais de acordo com os requisitos para o desenvolvimento da revolução coreana e a nova situação em casa e no exterior", explica o texto. 

Espera-se que a reunião, a primeira desse tipo em oito meses, se concentre em uma possível mudança de direção em termos diplomáticos ante o impasse no diálogo com os Estados Unidos.

Na reunião plenária de abril passado, o líder norte-coreano Kim Jong-un pediu que os Estados Unidos fizessem uma oferta aceitável e, em seguida, alertou para a possibilidade de optar por "um novo caminho".  As negociações bilaterais não avançaram desde o fracasso da cúpula de fevereiro em Hanói, onde Washington considerou insuficiente a oferta de Pyongyang em relação ao desmantelamento de seus ativos nucleares e se recusou a suspender as sanções econômicas.

Também não foi realizada uma reunião em Estocolmo, no início de outubro, para desenvolver a situação. Nesse contexto, os dois lados parecem ter reforçado atualmente a pressão recíproca. Na terça-feira, 3, o vice-chanceler norte-coreano Ri Thae-song emitiu um comunicado lembrando que o prazo dado por Pyongyang está se esgotando e deu a entender que ele poderia testar novamente armas nucleares e mísseis de longo alcance.

Horas mais tarde, o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, alertou que o Pentágono poderia optar pela rota militar, se necessário, no que é o primeiro aviso desse tipo de presidente em muito tempo.

Mesmo assim, Trump insistiu que ele tem um bom relacionamento pessoal com Kim Jong-un. "Vamos ver o que acontece", concluiu ele em Londres, onde está visitando a reunião de líderes de países da Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN). Por sua vez, o Pentágono reforçou sua vigilância sobre o Exército da Coréia do Norte, que recentemente realizou dois testes de armas e hoje implantou aeronaves de reconhecimento na Península Coreana pela sexta vez em uma semana. /EFE

Tudo o que sabemos sobre:
Kim Jong-unCoreia do Norte [Ásia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.