Coréia do Norte começa a reativar instalações nucleares

Governo inicia reconstrução da torre de resfriamento destruída para marcar desmantelamento atômico

Agências internacionais,

03 de setembro de 2008 | 11h49

A Coréia do Norte começou a reativar seu principal reator nuclear, a central de Yongbyon, depois de anunciar a interrupção de seu desmantelamento atômico, informaram nesta quarta-feira, 3, fontes diplomáticas à agência Kyodo. O governo norte-coreano anunciou a interrupção do encerramento de seu projeto nuclear em 26 de agosto, depois que os Estados Unidos não retiraram o país de sua lista de Estados terroristas. Washington exigia que Pyongyang aceitasse a verificação do processo de desmantelamento, antes de retirá-lo da lista. Segundo as fontes, os trabalhos começaram na terça-feira em Yongbyon, um complexo nuclear 90 quilômetros ao norte de Pyongyang, a capital norte-coreana. A reconstrução seria um grande contratempo para o processo definido pelas duas Coréias, China, Rússia, Japão e EUA. Há dois meses, Pyongyang destruiu a torre de esfriamento de seu principal reator nuclear e divulgou dados de seu programa de processamento de plutônio. Em troca, os norte-coreanos receberam promessas de relaxamento das sanções econômicas, entre elas a retirada do país da lista dos patrocinadores de terrorismo. O presidente americano, George W. Bush, de fato fez um pedido para que o Congresso americano tirassem os norte-coreanos dessa lista no dia 27 de junho. O governo dos EUA, porém, alega que a medida ainda não foi aprovada porque não foi possível verificar a veracidade do relatório de 60 páginas sobre o programa nuclear da Coréia do Norte entregue à China.  egundo analistas, a Coréia do Norte tem plutônio suficiente para produzir mais seis bombas. A usina de Yongbyon já havia sido desativada em 2007, depois que os cinco países envolvidos nas negociações se comprometerem a dar ajuda financeira e energética à Coréia do Norte. Na época, Pyongyang também voltou atrás em sua decisão.

Tudo o que sabemos sobre:
Coréia do Norteprograma nuclear

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.