Coreia do Norte comemora sucesso de lançamento de foguete

Comunidade internacional reclama, mas Ministério do Exterior afirma que programa espacial do país vai continuar.

BBC Brasil, BBC

12 de dezembro de 2012 | 12h21

A Coreia do Norte comemorou o sucesso do lançamento de um foguete de longo alcance, que colocou um satélite norte-coreano em órbita na manhã desta quarta-feira.

Com música solene ao fundo e uma apresentadora sorridente, a televisão estatal do país fez o anúncio.

Nas ruas, os norte-coreanos davam entrevistas sobre como estavam orgulhosos com o lançamento e com o avanço da ciência no país.

Mas, internacionalmente, volta a crescer a preocupação internacional com o programa espacial norte-coreano, e vizinhos acusam o país de usar o lançamento para testar mísseis.

O Conselho de Segurança a ONU vai se reunir para analisar qual será a resposta ao lançamento.

'Comportamento irresponsável'

O foguete Unha-3 foi lançado da costa oeste do país, parece ter seguido a trajetória planejada e partes do foguete caíram nos lugares esperados.

O governo da Coreia do Norte afirmou que o satélite foi colocado em órbita.

"O lançamento da segunda versão do nosso satélite Kwangmyongsong-3 (Unha-3) do Centro Espacial Sohae em 12 de dezembro foi bem-sucedido", informou a agência estatal de notícias KCNA. "O satélite entrou em órbita como planejado."

O Comando de Defesa Aeroespacial dos Estados Unidos (Norad, na sigla em inglês) confirmou que "um objeto parece ter alcançado a órbita".

O lançamento gerou críticas da comunidade internacional. Os Estados Unidos afirmaram que o lançamento foi outro "exemplo do padrão de comportamento irresponsável da Coreia do Norte".

A China, o maior aliado da Coreia do Norte, lamentou o lançamento, mas afirmou que qualquer ação da ONU deve ser moderada e evitar o aumento da tensão na região.

O governo japonês informou que o foguete passou sobre partes de Okinawa e não houve tentativa de interceptá-lo.

O Japão tinha ameaçado derrubar qualquer foguete ou destroços de satélite que invadissem seu território. O país deixou alertas navios e interceptadores de mísseis em terra.

O porta-voz do governo japonês chamou o lançamento de "extremamente lamentável".

Já o presidente sul-coreano Lee Myung-bak solicitou uma reunião de emergência de seus principais conselheiros para responder ao lançamento do foguete do país vizinho.

Seul, Washington e líderes de outros países pediram à Coreia do Norte para não prosseguir com a iniciativa, sob o risco de que a empreitada fosse considerada um teste de mísseis de longo alcance, proibido pelas resoluções das Nações Unidas.

Calma

De acordo com o analista diplomático da BBC Jonathan Marcus, o lançamento do foguete Unha-3 marca um importante progresso das ambições do governo norte-coreano de desenvolver um míssil balístico intercontinental (ICBM, na sigla em inglês).

A Coreia do Norte informou que o objetivo do lançamento era colocar o satélite em órbita e pediu que a comunidade internacional permanecesse calma. Um porta-voz do Ministério do Exterior norte-coreano disse que o país vai continuar com o programa espacial, independente da reação internacional.

No entanto, Marcus Lembra que o governo da Coreia do Norte já comentou suas ambições de atacar o que chama de "agressores", não importando a distância.

Especialistas afirmam que a tecnologia usada para o lançamento de um satélite é muito parecida com a necessária para desenvolver um míssil de longa distância.

"O fato de os norte-coreanos terem colocado um satélite em órbita é menos importante do que o fato de que eles parecem ter conseguido uma separação bem-sucedida entre os três estágios do foguete", afirmou Mark Fitzpatrick, diretor de não-proliferação e desarmamento do Instituto Internacional para Estudos Estratégicos em Londres.

E, para o especialista, isso representa um avanço nas ambições da Coreia do Norte para o desenvolvimento do míssil balístico intercontinental.

No entanto, Fitzpatrick afirma que, na opinião dele, isso não significa que os norte-coreanos conseguirão ter uma arma como esta em "um futuro próximo".

Em abril deste ano, a Coreia do Norte já havia realizado empreitada semelhante, mas, naquela ocasião, o foguete explodiu e caiu logo após seu lançamento no mar ao oeste da península coreana. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.