Coréia do Norte condena manobras realizadas por Coréia do Sul e EUA

A Coréia do Norte condenou nesta terça-feira as manobras militares iniciadas na véspera pelos Estados Unidos e a Coréia do Sul, afirmando que equivalem a "um ato de guerra", e reivindicou seudireito de se defender com "ações preventivas". Em declaração transmitida pela Agência Central de Notícias da Coréia do Norte (KCNA), o Exército Popular afirmou que as manobras conjuntas tornam nulo e inválido o armistício assinado em 1953. A Coréia do Norte "se reserva o direito de promover ações preventivas para se defender dos seus inimigos num momento-chave, no qual cresce a necessidade de aprofundar a capacidade defensiva",afirmou o comunicado. "As manobras militares são uma clara ameaça, chantagem militar e um ato de guerra que vai além da violação do tratado do armistício, sem garantia de que os exercícios não vão se tornar reais", acusou o comunicado emitido em nome do porta-voz do representante do Exército norte-coreano em Panmunjom. Os exercícios militares conjuntos acontecem em território sul-coreano e incluem manobras de campo e jogos de guerra virtuais por computador. As manobras de 12 dias reúnem cerca de 20 milsoldados americanos e sul-coreanos. Manobras anuais são feitas desde 1975. Nos últimos anos, a capacidade tecnológica de criar cenários de guerra simulados porcomputador tem tido mais importância que os próprios exercícios físicos dos soldados. Segundo o comando americano na Coréia do Sul, citado pela agência "Yonhap", a experiência militar pretende apontar as melhores estratégias para defender a península coreana em caso de um eventual ataque. O comando militar sul-coreano avisou no mês passado à Coréiado Norte que promoveria o exercício. O regime norte-coreano já havia qualificado os exercícios conjuntos como "grave provocação militar" e "uma perigosa aventura que põe a situação na península coreana à beira da guerra". Na última semana, a revelação dos supostos planos da Coréia do Norte de promover um teste nuclear subterrâneo causou fortes reações. A rede de televisão americana ABC citou um funcionário doDepartamento de Estado para dizer que a inteligência dos EUA havia detectado "um movimento suspeito de veículos" num local que osnorte-coreanos poderiam usar para testes. Em fevereiro de 2005, a Coréia do Norte reconheceu que dispunha de armas nucleares. No dia 5 de julho, disparou sete mísseisbalísticos de testes, um deles de longo alcance.A Coréia do Norte boicota desde novembro as conversações multilaterais na China, com a participação de Coréia do Sul, Japão,Rússia e EUA, para desativar seu arsenal nuclear.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.