Jun Yeon-Je/AFP Photo
Jun Yeon-Je/AFP Photo

Coreia do Norte diz que míssil testado é capaz de atingir EUA

Hwasong-15 teria alcance de 13 mil quilômetros; em resposta, Trump promete mais sanções e chama Kim Jong-un de 'cachorrinho doente'

O Estado de S.Paulo

29 Novembro 2017 | 02h16
Atualizado 30 Novembro 2017 | 08h53

PYONGYANG - O governo da Coreia do Norte  confirmou nesta quarta-feira que realizou um teste de um novo míssil intercontinental, o Hwasong-15. De acordo com Pyongyang, o armamento tem capacidade de atingir o território dos EUA. Na TV estatal, o governo de Kim Jong-un declarou que o míssil tem “vantagens muito maiores em suas especificações táticas e tecnológicas” do que o Hwasong-14, que foi testado duas vezes em julho.

Coreia do Norte miniaturizou ogivas nucleares, diz relatório dos EUA

Analistas e funcionários de governos da Europa e dos EUA ainda aguardam a divulgação de imagens do lançamento para identificar com precisão quais as diferenças entre o Hwasong-15 e os mísseis lançados anteriormente pelo regime norte-coreano.  

De acordo com a Coreia do Norte, o novo míssil foi lançado em uma trajetória verticalizada e voou por 53 minutos. O projétil atingiu no Mar do Japão (Mar do Leste). O governo norte-coreano disse que o míssil atingiu uma altitude de 4.475 quilômetros e percorreu 950 quilômetros.

“Se esses números estiverem corretos, se o míssil fosse lançado em uma trajetória padrão, em vez da trajetória verticalizada, o projétil teria um alcance de mais de 13 mil quilômetros”, afirmou a Union of Concerned Scientists, entidade com sede nos EUA. Isso significaria que cidades como Washington e Nova York estariam pela primeira vez dentro do alcance de um ataque da Coreia do Norte.

Após o teste, Kim declarou que a Coreia do Norte “finalmente concretizou a grande causa histórica de completar a força nuclear estatal”. Observadores internacionais, porém, afirmaram que ainda não estava claro o peso da carga que o míssil mais recente era capaz de carregar, nem se o equipamento poderia levar uma ogiva nuclear potente até os EUA.

Coreia do Norte trocou guardas de fronteira após deserção de soldado, diz Seul

 “O teste foi incomum por ter sido conduzido na calada da noite, o que talvez reflita preocupações dos norte-coreanos sobre evitar a interceptação do sistema de defesa americano contra mísseis balísticos”, declarou o Centro para Estudos Estratégicos e Internacionais dos Estados Unidos. 

O secretário-geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, exortou Pyongyang a "desistir de tomar qualquer possível passo desestabilizador no futuro". Guterres qualificou o teste de "clara violação das resoluções do Conselho de Segurança" que "revela a completa falta de respeito pela visão conjunta da comunidade internacional".

Nesta quarta-feira, o presidente americano, Donald Trump, declarou pelo Twitter que os EUA aplicarão mais sanções contra o regime da Coreia do Norte. Em um comício no Estado de Missouri, organizado para defender sua reforma tributária, o presidente chamou Kim de “cachorrinho doente”. Anteriormente, ele já havia se referido ao líder supremo da Coreia do Norte como “pequeno homem-foguete”. 

Em seu discurso na abertura da Assembleia-Geral da ONU, em setembro, Trump chamou regime norte-coreano de depravado e afirmou que “destruirá totalmente” a Coreia do Norte, se não tiver outra escolha. “Os EUA têm grande força e paciência, mas se forem forçados a defender a si ou a seus aliados, não teremos outra escolha além de destruir totalmente a Coreia do Norte.”

Estados Unidos colocam Coreia do Norte na lista de países que patrocinam o terrorismo

Nesta quarta-feira, a porta-voz do Departamento de Estado americano, Heather Nauert, afirmou que a comunidade internacional deve dar o máximo em relação aos esforços diplomáticos e econômicos para conter as ameaças norte-coreanas. De acordo com ela, Washington convocou uma reunião com a Coreia do Sul e o Japão para expandir a ofensiva diplomática contra Pyongyang.

O presidente francês, Emmanuel Macron, declarou à emissora France 24 que busca o apoio dos governos da China e da Rússia para a imposição de sanções mais eficazes contra a Coreia do Norte. O Conselho de Segurança da ONU convocou uma reunião de emergência para tratar do tema. O encontro seria realizado na noite desta quarta-feira, em Nova York, e discutiria um novo pacote de sanções contra Pyongyang.

Escalada

O disparo desta quarta-feira representou uma escalada nas tensas relações entre o regime de Kim Jon-un e o Ocidente. Em 3 de setembro, a Coreia do Norte fez seu sexto teste nuclear, o mais potente até a data. Segundo Pyongyang, se tratava de uma bomba de hidrogênio capaz de ser colocada em seus mísseis de longo alcance.

Em 15 de setembro, menos de uma semana depois que o Conselho de Segurança da ONU adotou novas sanções contra o regime norte-coreano, Pyongyang disparou um míssil balístico que sobrevoou o Japão, a 3.700 quilômetros a leste de seu ponto de partida, segundo Seul.

Desde então, a ausência de lançamentos criou a expectativa de que o endurecimento das sanções da ONU dava frutos.

Washington pede especialmente à China, principal apoio econômico de Pyongyang, que pare de apoiar seu vizinho. Trump se mostrou confiante sobre este aspecto após sua recente visita a Pequim, apesar do ceticismo de muitos observadores.

Os Estados Unidos esperam que quando Kim Jong-un estiver totalmente isolado e submetido a um importante bloqueio econômico e sob as constantes ameaças militares do presidente americano, o líder norte-coreano acabará aceitando negociar seu programa nuclear. / AFPAP, REUTERS e EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.