Coréia do Norte considera sanções da ONU como declaração de guerra

A Coréia do Norte rejeitou a resolução da Organização das Nações Unidas (ONU), que impõe sanções à nação pelo anúncio de teste nuclear. O país considera as sanções como uma declaração de guerra.Já era esperado que a resolução unânime do Conselho de Segurança da ONU fosse criticada pela Coréia do Norte. Curvar-se a outros países sempre fará o líder norte-coreano Kim Jong Il parecer fraco, algo que ele não pode admitir se quiser manter-se no poder.Na visão da Coréia do Norte, a maior fonte de pressão externa são os Estados Unidos. Por mais que Washington insista em negar a intenção de invadir o país, a Coréia do Norte sabe que os EUA desejam ver uma mudança no regime comunista. A Coréia do Norte atribui a realização do teste nuclear à pressão e às sanções americanas. O embaixador do país comunista na ONU, Pak Gil Yon, questionou neste sábado o porque de se ignorar a presença dos EUA na região quando se discute a questão na ONU.Para a Coréia do Norte, o programa nuclear é uma forma de protelar uma ofensiva dos EUA. Possuir armas nucleares pode se tornar objeto de barganha para dar ao país comunista garantias de segurança ao regime. O embaixador Pak disse que a necessidade de se armar decorre da política hostil dos EUA no país. "Não seria preciso qualquer arma nuclear se não estivéssemos expostos aos Estados Unidos."Os EUA devem persistir na campanha para afastar a Coréia do Norte do sistema financeiro internacional. Esse era o principal ponto de divergência entre os países antes do teste nuclear. A questão tem forte efeito nas elites da Coréia do Norte e exerce pressão sobre Kim, o que pode ter sido determinante para a realização dos testes. Apesar dos testes, a Coréia do Norte reiterou que não está em seus planos fazer um ataque nuclear ou proliferar armas atômicas. Reforçou também o desejo de um mundo sem armas atômicas. "Limpar a península coreana de armas nucleares é a instrução do presidente Kim Il e o objetivo final do povo", disse Pak.Mesmo a Coréia do Norte declarando que as sanções estão próximas a uma declaração de guerra, isso soa retórico. O país não tem condições de lançar um ataque - convencional ou nuclear. A atitude implicaria numa previsível derrota para as forçar aliadas que já se organizaram contra o país comunista.Isso não significa que a Coréia do Norte pretende cruzar os braços diante das sanções. Pak disse que o país vai continuar respondendo à pressão americana. A Coréia do Norte tende a fazer o que promete, como mostrou nos testes nucleares da última semana.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.