Coréia do Norte critica enviado dos EUA

A Coréia do Norte afirmou que um altodiplomata americano que recentemente visitou o país demonstrouuma atitude "tirânica e arrogante" ao exigir que Pyongyangresponda a preocupações globais sobre seus programas de armasnucleares e outras.Em seus primeiros comentários depois da visita de três dias dosubsecretário de Estado James Kelly, a Coréia do Norte anunciou nesta segunda-feira que vai manter um alto alerta militar até queWashington mude suas políticas hostis.Kelly viajou ao país comunista como enviado especial dopresidente dos EUA, George W. Bush, que tem rotulado Coréia doNorte, Irã e Iraque de "eixo do mal" que tem intenções dedesenvolver armas de destruição em massa. Ele partiu da capitalPyongyang no último sábado.A visita de Kelly marcou as primeiras conversações desegurança com a Coréia do Norte desde que Bush assumiu o poder.Retornando da viagem, Kelly afirmou que expressou aPyongyang as "sérias preocupações" com seus programas de armase violações dos direitos humanos.A Coréia do Norte acusou Kelly de assumir uma "atitudetirânica e arrogante ao afirmar" que as relações de Pygongyangcom Japão, Coréia do Sul e EUA "serão tranqüilamenteacertadas apenas quando (o país) atender primeiro a exigênciasunilaterais dos EUA em relação, por exemplo, às questões nucleare de mísseis, forças armadas convencionais e direitoshumanos"."Acima de tudo, a explicação do enviado especial deixou claroque a administração Bush persegue não uma política de diálogo,mas uma política linha-dura de hostilidade para fazer (a Coréiado Norte) ajoelhar-se pela força e por práticas tirânicas",afirmou o porta-voz do Ministério do Exterior norte-coreano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.