Coréia do Norte critica reforço em tropas dos EUA na região

A Coréia do Norte criticou duramente hoje planos dos Estados Unidos de reforçarem suas tropas na Coréia do Sul, classificando-os de uma preparação para a guerra em meio a uma crise nuclear na dividida península."A situação na Península Coreana parece com a véspera de umaguerra nuclear", escreveu num editorial o jornal oficial RodongSinmun.A Coréia do Norte acusa os EUA de estarem tentando usar oimpasse sobre seu suposto desenvolvimento de armas nuclearescomo desculpa para invadir o país comunista."As autoridades militares dos EUA estão pintando estecontrovertido ´plano de reforço de armas´ como um ´plano desegurança´ para enfrentar a provocação de alguém", acrescentouRodong. "Mas isso é nada mais do que um sofismo para encobrir seu complô agressivo escondido atrás do ´plano de reforço de armas´".Na semana passada, militares americanos anunciaram que iriamgastar adicionais US$ 11 bilhões nos próximos três anos paraaumentar sua capacidade bélica na Coréia do Sul. O plano prevê a melhoria na coleta de informação de inteligência e amodernização de armas, assim como o envio de forças especiais de ação rápida, conhecidas como unidades Stryker.As Forças Armadas americanas já gastam cerca de US$ 3 bilhões por ano para manter suas tropas na Coréia do Sul.A disputa nuclear emergiu em outubro, quando autoridades dosEUA disseram que a Coréia do Norte havia admitido possuir umprograma nuclear clandestino. Desde então, Pyongyang confirmou ter bombas atômicas e adiantou que planeja construir mais.Washington e seus aliados pressionam a Coréia do Norte a pôrfim ao seu programa de armas nucleares. No mês passado, opresidente George W. Bush advertiu sobre "duras medidas" casoPyongyang eleve a tensão.Em outra notícia publicada hoje, o Rodong criticou osubsecretário de Defesa dos EUA, Paul Wolfowitz, por terdefendido o uso de pressão econômica para obrigar a Coréia doNorte a renunciar às armas nucleares."Qualquer sanção contra a Coréia do Norte significa guerra",advertiu o jornal.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.