Kim Do-Yoon/Reuters
Kim Do-Yoon/Reuters

Coreia do Norte critica Seul e Washington por manobras militares

Segundo Pyongyang, atividades seriam treinamento para invasão ao território norte-coreano

Efe

17 de março de 2010 | 08h36

PYONGYANG - A Coreia do Norte voltou a criticar as manobras militares anuais conjuntas entre Coreia do Sul e Estados Unidos nesta quarta-feira, 17, um dia antes de tais treinamentos serem concluídos, informou a agência oficial norte-coreana KCNA.

 

Pela primeira vez, Pyongyang emitiu um memorando para criticar as manobras, que mobilizaram 18 mil soldados americanos e 20 mil sul-coreanos. Segundo o governo comunista, as atividades visam a preparação para uma eventual invasão ao território norte-coreano.

 

A Coreia do Norte considerou que Seul e Washington "não serão livres da responsabilidade de ter feito ruir a paz e a desnuclearização na península coreana" e alegou que as manobras não são de caráter defensivo, mas sim o prelúdio de uma invasão a seu território.

 

Pyongyang ressaltou que os dois aliados realizaram esses exercícios quando, "mais que nunca", a comunidade internacional exige a paz na península coreana. Além disso, o regime comunista norte-coreano orientou os EUA a "adotarem medidas práticas para pôr fim à situação de guerra e às relações hostis entre Coreia do Norte e EUA".

 

No início das manobras, no último dia 8, Pyongyang já tinha ameaçado parar seu processo de desnuclearização e deixar o acordo de cessar-fogo que encerrou a Guerra da Coreia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.