Coréia do Norte dá sinais de recuperação de seu líder, diz Seul

A Coréia do Norte está demonstrando pela imprensa que o dirigente Kim Jong-il está firmemente no controle, apesar dos rumores dos últimos meses sobre sua saúde, disse uma autoridade sul-coreana na sexta-feira. Fontes dos EUA e da Coréia do Sul dizem que Kim, 66 anos, sofreu um derrame em agosto, despertando dúvidas sobre a liderança deste regime comunista dinástico e sobre o controle do seu programa nuclear. Na quinta-feira, um médico francês que supostamente tratou do misterioso líder disse ao jornal Le Figaro que Kim sofreu um derrame, mas não foi submetido a operação e já está melhor. Recentes relatos norte-coreanos sobre aparições públicas de Kim mostram que ele está trabalhando com mais assessores e encontrando mais gente. Nesta semana, ele também divulgou um raro documento com data e assinatura, segundo um porta-voz do ministério sul-coreano da Unificação. "Isso pode significar que mais gente realmente viu Kim Jong-il", disse o porta-voz Kim Ho-nyeon em entrevista coletiva. Analistas dizem que muitos norte-coreanos ouviram falar da doença de Kim, mesmo que o regime local seja um dos mais fechados do mundo e evite comentários que indiquem uma debilidade do "Estimado Líder". Na sexta-feira, a Coréia do Norte divulgou fotos sem data de um recente compromisso externo de Kim - visita a uma aldeia e uma granja. Ele posou com autoridades locais usando casaco de inverno e óculos de sol. Koh Yu-hwan, professor de estudos norte-coreanos da Universidade Dongguk (no Sul), disse que Pyongyang está querendo dizer a seus cidadãos e ao mundo que Kim permanece no poder e que não há "conflito interno". Outros analistas lembram que, embora o Norte tenha divulgado várias fotos sem data desde que os rumores começaram, não houve imagens que comprovassem sua boa saúde. Mas o neurocirurgião François-Xavier Roux disse ao Le Figaro que "as fotos que acabam de ser publicadas parecem recentes e autênticas". "Não posso dizer mais, por causa da confidencialidade médica e do sigilo de Estado." A enfermidade de Kim também pode ter influenciado recentes discussões internacionais sobre o fim do programa nuclear norte-coreano. As negociações, que envolvem outros cinco países, terminaram na quinta-feira em Pequim, sem progressos. (Reportagem adicional de Kim Junghyun)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.