Ahn Young-joon/AP
Ahn Young-joon/AP

Coreia do Norte dispara mais dois projéteis

Esta é a sexta série de disparos norte-coreanos neste mês, que Kim Jong-un afirmou ser uma advertência aos exercícios militares dos EUA e da Coreia do Sul

Redação, O Estado de S.Paulo

15 de agosto de 2019 | 23h58

SEUL - A Coreia do Norte disparou dois "projéteis não identificados" no mar nesta sexta-feira (noite de quinta-feira no Brasil), informou o Comando do Estado-Maior do Sul. 

Os militares da Coreia do Sul disseram que os projéteis foram disparados da região da cidade de Tongchon, Província de Kangwon, em direção ao Mar do Leste, também conhecido como Mar do Japão. 

"Os militares estão monitorando a situação em caso de lançamentos adicionais, mantendo uma posição de prontidão", informou Comando do Estado-Maior do Sul. Esta é a sexta série de disparos norte-coreanos neste mês de agosto.

Ao comentar os testes precedentes, o líder norte-coreano, Kim Jong-un, afirmou que se tratava de uma "advertência solene" às manobras militares conjuntas dos Estados Unidos e da Coreia do Sul, iniciadas no começo do mês.

A Coreia do Norte considera que estas manobras são uma preparação para uma eventual invasão de seu território.

A comissão para a reunificação pacífica do país, instituição do poder norte-coreano, anunciou nesta sexta-feira que rejeitava as declarações da véspera do presidente sul-coreano, Moon Jae-In.

Em um discurso pronunciado por ocasião do aniversário da libertação da Coreia da ocupação japonesa (1910-1945), Moon declarou que seu objetivo era "alcançar a paz e a reunificação...".

O comunicado norte-coreano acusa Seul de ser responsável pelo congelamento atual das discussões entre as duas Coreias e da não aplicação da "declaração histórica de Panmunjom".

Esta declaração foi adotada durante a reunião surpresa de Kim com o presidente americano, Donald Trump, em Panmunjom, na Zona Desmilitarizada (DMZ) entre as duas Coreias.  / AFP

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.