Coreia do Norte diz a Seul não saber sobre pesqueiro detido

Seul enviou uma mensagem às autoridades norte-coreanas para pedir a libertação imediata dos tripulantes

Efe

31 de julho de 2009 | 04h26

A Coreia do Norte disse nesta sexta-feira, 31, que ainda não tem informações a passar para Seul sobre o barco pesqueiro sul-coreano detido na quinta-feira, 30, pelas autoridades do país comunista por ter cruzado a fronteira marítima, informou hoje o Governo da Coreia do Sul.

 

Segundo a porta-voz do Ministério da Unificação sul-coreano, Lee Jong-joo, citada pela agência local Yonhap, a Coreia do Norte disse que não tem, por enquanto, nenhuma informação a compartilhar com Seul e que, quando isso ocorrer, entrará em contato com Coreia do Sul.

 

A resposta norte-coreana se deu durante um telefonema feito esta manhã a partir da Coreia do Sul.

Na quinta-feira, um barco pesqueiro sul-coreano de 29 toneladas com quatro tripulantes a bordo foi detido por uma embarcação de patrulha do regime comunista após ter entrado nas águas norte-coreanas no Mar do Leste (Mar do Japão).

 

Em seguida, o barco foi transferido para o porto de Jangjon, na Coreia do Norte. A suspeita é de que o barco sul-coreano, dedicado à pesca de lulas, cruzou a fronteira marítima devido ao mau funcionamento de seu sistema de navegação via satélite.

 

Seul enviou na quinta-feira, 30, uma mensagem às autoridades marítimas norte-coreanas em Pyongyang para pedir a libertação imediata dos tripulantes e do pesqueiro. A Coreia do Norte respondeu que suas autoridades marítimas já estão investigando o caso.

 

Esta é a terceira vez desde 2005 em que as autoridades da Coreia do Norte detêm uma embarcação sul-coreana. Nas outras duas ocasiões, os navios também atravessaram a linha fronteiriça de demarcação marítima entre os dois países e foram liberadas posteriormente após cinco e 19 dias, respectivamente, segundo dados oficiais.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.