Coreia do Norte e EUA concordam sobre desarme nuclear

Enviado americano a Pyongyang reiterou disposição dos americanos de retomar negociações

10 de dezembro de 2009 | 10h37

O enviado dos EUA para a Coreia do Norte, Stephen Bosworth, disse nesta quinta-feira, 10, que manteve um diálogo franco com funcionários em Pyongyang e que há um acordo sobre a necessidade de implementar um pacto sobre o desarmamento nuclear, embora datas para reuniões não foram marcadas.

 

Bosworth afirmou que se reuniu com o vice-ministro de Relações Exteriores Kang Sok-ju, considerado o cérebro da diplomacia nuclear norte-coreana e um dos assessores mais próximos do líder Kim Jong Il.

 

"Eles estão de acordo com a implementação de um diálogo conjunto com a comunidade internacional", disse o americano, referindo-se ao um acordo de 2005 que prevê que a Coreia do Norte deve deixar de lado seu programa nuclear de armas em troca de uma importante ajuda do Ocidente e de melhores relações diplomáticas.

 

Em Pyongyang, o emissário de Washington transmitiu ao governo norte-coreano o ponto de vista do presidente Barack Obama de que a "completa desnuclearização da península coreana é um compromisso fundamental no diálogo".

 

Bosworth também reiterou a disposição dos EUA a trabalhar com seus aliados na região para oferecer à Coreia do Norte um "futuro diferente", sempre e quando Pyongyang optar pelo diálogo e tomar passos irreversíveis para o desarme nuclear.

 

O enviado, porém, afirmou que durante os encontros, não foram discutidos detalhes do programa nuclear do país asiático. "Quando retomarmos as negociações, esse será um dos pontos importantes da agenda", disse.

 

Bosworth, porém, disse que ainda não há previsão para a retomada das negociações entre o governo norte-coreano e EUA, Rússia, Japão e Coreia do Sul. As partes não vão à mesa de negociações há quase um ano.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.