AFP
AFP

Coreia do Norte e EUA tentam salvar cúpula

O jornal 'The Washington Post' relatou mais cedo que uma delegação americana tinha atravessado para o lado norte-coreano da fronteira, para Panmunjon, que fica na Zona Desmilitarizada que divide a Península Coreana

O Estado de S.Paulo

27 Maio 2018 | 18h28

WASHINGTON - O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou neste domingo que uma delegação de autoridades americanas chegou à Coreia do Norte com a finalidade de preparar o terreno para negociações em torno da cúpula entre ele e o líder norte-coreano, Kim Jong-un. Apesar de ter cancelado o encontro na semana passada, Trump manteve aberta a possibilidade de uma reunião, após sinais emitidos por Pyongyang de que Kim gostaria de se encontrar com o presidente americano.

“Nossa equipe dos EUA chegou à Coreia do Norte para fazer os preparativos para a cúpula entre Kim Jong-un e eu. Realmente acredito que a Coreia do Norte tem um potencial brilhante e será uma grande nação econômica e financeira um dia. Kim Jong-un concorda comigo sobre isso. Isso vai acontecer!”, disse Trump em seu perfil no Twitter.

No sábado, o líder norte-coreano se encontrou com o presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, que afirmou que Kim se comprometeu em se reunir com Trump e com uma “desnuclearização completa” da Península Coreana. Na noite de sábado, o presidente americano disse, na Casa Branca, que as negociações sobre uma cúpula entre ele e Kim estavam “indo muito bem” e comentou com jornalistas que ainda considerava a data de 12 de junho para realizar o encontro. Cingapura também foi mencionado por Trump como o local do possível encontro.

+ Análise: Um presidente imprevisível para uma política incerta

O jornal The Washington Post relatou mais cedo que uma delegação americana tinha atravessado para o lado norte-coreano da fronteira, para Panmunjon, que fica na Zona Desmilitarizada que divide a Península Coreana.

O Post disse que essa delegação foi liderada por Sung Kim, ex-embaixador americano na Coreia do Sul e ex-negociador nuclear com o Norte. / AP e EFE 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.